terça-feira, 23 de junho de 2009

Medo de que? Por quê?

Esta semana soube de mais um caso em que o amor foi insuficiente para superar tabus bobos e sem sentido. Um casal que tem (ou melhor, teria) tudo, absolutamente tudo pra ser feliz em família se desfez por medo, covardia, insegurança e falta de conhecimento da realidade da vida por uma das partes.

Por que muitos desistem de objetivos importantes de suas vidas, inclusive do amor, por medo do desconhecido? Qual o nome do grande monstro que se esconde atrás da palavra maturidade? Por quê tanta gente ainda carrega verdadeiro pavor de crescer, de ultrapassar a linha entre adolescência e vida adulta? Qual o grande mistério?

Ninguém vai ser obrigado a falar apenas de comódities ou sobre crise econômica mundial só porque passou dos 30.

O vídeo game e o Banco Imobiliário continuarão tão permitidos quanto bem-vindos. Apenas as partidas serão melhores porque todos irão entender e compartilhar as piadas de duplo ou triplo sentido.

Em vez de refrigerante, cada rodada será acompanhada por boas goladas de vinho, cerveja ou whisky. Os micos também continuarão a fazer parte da sua vida, assim como a dança de quadrilha em todas as festas típicas possíveis (com direito a grito de Anarriê e tudo).

Os amigos, a melhor parte, continuarão te zuando em toda e qualquer oportunidade, e as risadas estarão garantidas.

O mundo real não é tão assustador quanto parece. É até divertido quando não se dá tanto valor ao drama. Quem (dos leitores adultos, claro) nunca deu uma boa gargalhada numa roda de amigos depois de falar " durasso", e ouviu como resposta vários "eu também".

Isso tudo faz parte. Assim como a chegada do momento em que você terá a oportunidade de compartilhar tudo isso, e outras coisas melhores ainda, com uma outra pessoa em especial. Todos tem um parceiro que em algum momento irá cair de supetão na sua frente. Pode até ser assustador, mas ruim? De jeito nenhum, quando se está disposto, claro.

Jogar o amor da sua vida no lixo por medo do diferente é uma loucura. Perda de tempo. Um atestado de mal jogador. Comprovação de fraqueza. Perda de uma oportunidade tão única quanto valiosa.

Um comentário:

  1. aham... pq que tem que ser assim? pq não muda né?! Quem sabe...?

    ResponderExcluir