quarta-feira, 29 de julho de 2009

Aposte

Uma amiga saiu no final de semana e conheceu um cara maravilhoso. Beijou muito e adorou. Houve a famosa troca de telefones e... e aí??? Pois é! Ligar ou não ligar. E quando ligar, falar o que?

Nossa, muito questionamento para um fato tão simples. Mas pra falar a verdade, hoje há um mecanismo muito interessante que faz tudo ficar mais fácil e mais objetivo: a mensagem de texto.

Com os famosos torpedos você envia, objetivamente, um sinal de fumaça eletrônico dizendo que você está disponível, está interessada e mais outros tantos recados que você consiga inserir nas entrelinhas. Você envia um "e aí?" e o máximo que pode acontecer de ruim é a pessoa ou ignorar a mensagem ou mandar um "e aí o que? não torra!".

Ou ainda... Bom, minha amiga resolveu apostar e mandou uma mensagem dizendo oi e que estava com saudade. E o que aconteceu????

tchãn, tchãn, tchãn...

O cara ligou na mesma hora (o que é um bom sinal). Sim, essa é uma das possibilidades sabiam? Acreditem ou não, a pessoa do outro lado da linha pode também querer falar com você. E é inegável que alguém vai ter que dar o primeiro passo. Por que não você? Pois não só o cara ligou como conversaram e trocaram outros telefones, emails, endereços...

O que vai acontecer depois eu não faço a menor idéia. Pode ser que se casem e tenham filhos. Pode ser que não consigam suportar outro encontro e nunca mais queiram se ver na vida. Pode ser que aconteça um relacionamento passageiro, ou mesmo mais duradouro mas que não seja pra sempre. Pode ser uma infinidade de opções, que só será descoberto se alguém pagar pra ver.

Agora o fato é: alguém tem que dar o primeiro passo. E não importa quem seja.


"Ele vai ligar..."

segunda-feira, 27 de julho de 2009

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Não somos a exceção, somos a regra!!!!!!!!!

Ok, o filme é "mulherzinha" e tudo mais que os cinéfilos de plantão quiserem dizer. Masssss, para além de todo o óbvio, todas as questões tratadas em Ele NÃO está tão afim de você (do original: He is not just that into you) continuam tão atuais que a pergunta fica no ar quando vem os créditos: como diabos a maioria das pessoas ainda não aprendeu a lição?!

Se fosse possível resumir o filme em uma frase, acho que seria: nós não somos a execeção, SOMOS A REGRA. Crescemos esperando um príncipe no cavalo branco, um homem que nos acordará do coma tal e qual A Branca de Neve, ou que percorrerá todas as ruas da cidade com nosso sapatinho de cinderela nas mãos, ou passará cinquenta e um anos, nove meses e quatro dias esperando por nós como em O amor nos tempos do cólera.

Amores de Gabriel García Márquez podem até existir mas, pelo menos no mundo em que EU vivo, são raríssimos a ponto de muitos nunca terem nem ouvido falar. Não é o fim do mundo, desde que possamos entender a diferença entre Hollywood e a vida real:

  • Na ficção, o mocinho não aparece no encontro romântico em que vocês fugiriam juntos porque a bruxa o prende no calabouço do castelo. Na vida real, ele SIMPLESMENTE não está a fim de você.
  • Na ficção, o cara não liga no dia seguinte porque é atropelado e perde a memória. Na vida real, ele não liga no dia seguinte porque não está afim de ligar! Ou seja: NÃO está a fim de você.
  • Na ficção, o cara enrola pra casar porque ele é um agente secreto e tem medo de colocar sua vida em risco. Na vida real, o cara enrola pra casar e dá desculpas como "eu não mereço você", ou pior ainda "eu vou ter tanto ciúme do cara que casar com você" porque ele não quer casar com você, e ponto final.
É simples assim: se um cara não te liga no dia seguinte, é porque ele não quer te ligar. Ou seja: se um cara está te tratando como se não desse a mínima pra você é porque ele REALMENTE não dá a mínima pra você. SEM EXCEÇÕES!

Abandone de uma vez essa crença estúpida e eterna de que a qualquer momento você pode ser a exceção. Pare de se apaixonar perdidamente por cada cara que você conhece, isso assusta! Então, please, não saia por aí dando uma de psicopata perseguindo desconhecidos e implorando por amor. Não perca tempo com quem não está a fim de você.

Se um cara pega seu telefone e não liga no dia seguinte, não fique obcecada com isso. Às vezes você nem sequer curtiu tanto ficar com ele, mas só porque o bendito não liga você começa a fazer milhões de suposições bizarras e surreais do porquê ele não ligou, quando a resposta é óbvia: ele só não está interessado. Quando alguém estiver realmente interessado, vai ligar, vai dar qualquer desculpa e vai encontrar um jeito de te encontrar. Quanto ao que não ligou, vire a página e seja feliz.

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Mentes perigosas in love


Lendo o livro "Mentes Perigosas" me veio uma revelação um tanto quanto assustadora: a ideia de associar psicopatas a pessoas violentas e com aparência de assassinas, serial killers facilmente identificáveis a olho nu, está totalmente equivocada. Na verdade, todo serial killer é um psicopata, mas apenas 10% dos psicopatas tornam-se serial killers. Ou seja: à primeira vista, psicopatas são gente igual a gente, pessoas que andam tranquilamente nas ruas, cruzam nosso caminho, frequentam as mesmas festas, estudam, trabalham, casam e até tem filhos.

Segundo a autora do livro, Ana Beatriz Barbosa Silva, 4% da população mundial é psicopata: 3% são homens e 1% mulher. Ou seja, a cada 25 pessoas, uma é psicopata! Fiquei pensando em como o perigo, nesses casos, pode morar ao lado. A maioria dos psicopatas nunca vai matar alguém, mas a destruição que eles provocam (muita vezes sem deixar rastros) pode ser de proporções tão grandes quanto um homicídio qualificado.

Ciúmes, brigas e relacionamentos conturbados tornaram-se praticamente a regra e muita gente passou a aceitar que o "amor" é desculpa pra fazer todo tipo de coisa - tudo em nome do amor. Talvez por isso, muitas pessoas não vão perceber quando estiverem se relacionando com um psicopata (que Deus nos proteja!). O psicopata é basicamente um indivíduo com uma elevadíssima capacidade racional e uma baixíssima ou quase nenhuma capacidade emocional. Acho que por esta razão, o jeito mais fácil de identificá-los não é nas relações profissionais, mas nas afetivas (amizade, namoro etc.), já que psicopatas costumam possuir um problema crônico de baixa auto-estima e são totalmente incapazes de amar de verdade.

Pra você que ficou um tanto quanto assustado (como eu fiquei), aí vão alguns dos "sintomas" e "características" mais comuns dos psicopatas descritos no livro.
  • Poder de destruição: psicopatas são capazes de passar por cima de qualquer pessoa para satisfazer seus próprios interesses. “Eles podem arruinar empresas e famílias, provocar intrigas, destruir sonhos, mas [em sua maioria] não matam. E, exatamente por isso, permanecem por muito tempo ou até uma vida inteira sem serem descobertos ou diagnosticados".
  • Consciência: os psicopatas têm total ciência dos seus atos - sua parte cognitiva ou racional é perfeita -, ou seja, sabem perfeitamente que estão infringindo regras sociais e por que estão fazendo. Quanto aos sentimentos, porém, são absolutamente deficitários, pobres, ausentes de afeto e de profundidade emocional. Assim, para eles, tanto faz ferir, maltratar ou até matar alguém que atravessa o seu caminho, mesmo que esse alguém faça parte de seu convívio íntimo.
  • Mentirosos Patológicos: em geral são pessoas sedutoras, envolventes, que articulam bem, sabem inventar histórias como ninguém, e contam mentiras de uma maneira que todos podem jurar que é mesmo verdade, e sustentam essa mentira, sem se abalar mesmo se forem desmascarados. Para eles a realidade e a ilusão fundem-se num só conceito pelo qual regem o seu mundo. Não mentem apenas para fugirem de uma situação constrangedora, mas pura e simplesmente porque não sabem viver sem mentir. Descaradamente, inventam outra mentira para justificar a anterior e vão em frente; porém, podem perder o controle em situações banais, demonstrando seu desequilíbrio emocional através da agressividade ou da chantagem emocional (crises exageradas de choro) para chamar a atenção e despertar compaixão no outro.
  • Ausência de culpa: são egocêntricos e só conseguem visualizar suas próprias necessidades; são manipuladores, perversos, desprovidos de culpa, remorso ou arrependimento e podem dormir tranquilos e serenos, mesmo tendo ferrado completamente a vida de alguém, física ou mentalmente, afinal, os outros é que são os culpados. Costuma fintar até o teste do polígrafo, porque o seu ritmo cardíaco não se altera quando profere mentiras e nem quando comete crimes.
  • Falso amigo: Sempre usam da ingenuidade e fragilidade emocional das suas vítimas; costumam elogiar muito e cometer excessos de gentilezas e nunca temem pela punição por ter a certeza que tudo o que fazem tem um propósito benéfico (para eles, claro!), embora tenham a noção de que os seus atos são anti-sociais. Quando denunciados, recusam reabilitação ou qualquer tratamento e, na impossibilidade de fugir, simulam uma mudança de caráter, para mais tarde voltar aos padrões comportamentais que lhe são característicos e até se vingarem de quem os tentou ajudar! (ai, credo!)

  • Amoralidade: psicopatas são portadores de grande insensibilidade moral, faltando-lhes totalmente juízo e consciência morais, bem como noção de ética.

  • Manipulação e Egoísmo: desde que ele estejam bem, o resto do mundo não lhes interessa. O psicopata é um indivíduo extremamente manipulador que usa o seu encanto para atingir os seus objetivos, nunca pensando nas emoções alheias. Não reconhece a dor que provoca nos outros e por isso, usa as pessoas como peões, objetos que pode pôr e dispor conforme lhe convêm. Manifesta facilidade em lidar com as palavras e convencer as pessoas mais vulneráveis a entrarem no “jogo” dele. Querem controlar todos os relacionamentos, impedindo que familiares e amigos confraternizem paralelamente, sem a sua presença. Para tal recorrem as esquemas, intrigas e claro, ao seu charme para se fingir amigo.
Para mim esse é um livro perturbador, afinal, não é nada reconfortante descobrir o quanto é difícil perceber quando estamos correndo risco de ser a próxima vítima. Mas, ao mesmo tempo, acho também que todos deveriam lê-lo, já que a única arma possível para nos defendermos dos psicopatas é justamente a possibilidade de reconhecer um.

Se depois de ler tudo isso você desconfia que está se relacionando com um psicopata "amigo", ou um psicopata "namorado/peguete", um conselho: saia correndo agora mesmo! Quanto mais longe de um psicopata você estiver , melhor.