domingo, 22 de novembro de 2009

Cenas de um reencontro com o ex

É sexta-feira, você está alegre e distraída quando, de repente, encontra o seu ex:


As pernas tremem quando você o vê. É assustador descobrir que mesmo depois de tanto tempo sem contato você não consegue controlar isso e, pior, você não fazia a menor idéia de que seria assim um reencontro que não durou mais do que segundos num contrafluxo de uma escada rolante.

Você, sozinha. Ele de mãos dadas com uma menina que você não conhece. Sua amiga te consola dizendo que você é mais bonita, que você tem mais estilo e se veste melhor. Mas nada disso importa, porque o que te faz sentir de um jeito que você não sabe explicar (se triste, com ciúme, com inveja ou simplesmente "estranha") é o fato de que ELA está ali de mãos dadas com ele e não você.


Você desistiu de tentar brincar de ser feliz.


Muitos sentimentos confusos vêm à tona. Você queria poder dizer que ele está enganado por pensar que você mudou tanto quanto ele imagina, porque o que os outros vêem agora é só uma couraça construída pelo orgulho, isso é tudo o que ele poderia enxergar de longe. Por trás disso, você está lá inteira e a mesma.


Enquanto suas pernas tremem você não consegue pensar. E de repente você se vê paralisada por um único pensamento no meio desse turbilhão: as coisas jamais serão iguais. Você já sabia disso?


Ressuscitar velhos fantasmas nunca é bom, a menos que o objetivo seja liquidar questões mal resolvidas. Qualquer que seja o sentimento - ódio, rancor, orgulho, um amor que persiste, saudade, carência - lembre-se sempre: ex por definição é algo que já foi... é aquilo que NÃO é mais. Se fosse pra ser, não seria ex... e se é ex é porque por algum motivo o relacionamento se mostrou inviável.

Haja o que houver, respire fundo, levante a cabeça e jamais pense em andar pra trás... siga em frente. Lembre-se da filosofia de bar da minha amiga recém separada:

"Eu tinha medo de me separar do meu marido "bonzinho" porque minha mãe martelava sem parar que 'a gente nunca sabe o que tem a
té perder'. Quando eu finalmente tomei coragem e separei, conheci um cara absolutamente incrível e surpreendente e descobri o outro lado dessa moeda: a gente também nunca sabe o que está perdendo até encontrar". PS.: Antes que alguém ache que virei viúva negra: ex bom é ex morto no sentido de "virar passado", ok?


Um comentário: