sábado, 19 de dezembro de 2009

I am weasel


Saca o desenho "Eu sou o máximo"? Já viu Johnny Bravo? Pois é... imagina só uma mistura dos dois. As cenas do Máximo e do Babão e do ultraego de Johnny expressam a clara idéia do que vem a ser a falta de noção da realidade. No que diz respeito a falta de noção nos relacionamentos, Máximo e Johnny estão mais do que enquadrados.

Tenho uma penca de amigas que trocaria facilmente um lindo portador da síndrome do "Eu sou o máximo" (cara que geralmente - embora nem sempre - é bonito, inteligente, bem sucedido, sensível, bom irmão, bom filho, bom amigo, ou seja, (quase) tudo de bom) por um rélis mortal que seja apenas simpático, agradável, humilde e.... que já tenha percebido que ele é parte do sistema solar e não o contrário.

Se você tem dúvidas da relação custo-benefício de se envolver com um ser da casta "eu sou o cara", listamos abaixo 9 boas razões para NÃO fazê-lo:


1. Proteger sua auto-estima: Eu sou o máximo acha que todo mundo VAI se apaixonar por ele. Não tem nada pior pra auto-estima do que estar com alguém cujas atitudes disparam mil vezes por minuto a mensagem "você é só mais uma, mas eu sou o cara".


2. Evitar a fadiga: o tipo Eu sou o máximo é geralmente muito atraente físicamente, o que por sua vez atrai muitas mulheres. Ele está acostumado ao mínimo esforço e frequentemente acha que o trabalho dele na vida se resume a distribuição de charme. O Máximo não precisa de nada além do fato de ser o máximo para conquistar você, de maneira que ele espera que VOCÊ faça tudo por ele (inclusive competir e ganhar das loucas que correm atrás dele). Tal e qual o Seu Jaiminho, do Chaves, não se envolver com "o cara" é a melhor maneira de evitar se cansar à toa, porque o esforço simplesmente não compensa.

3. Conversar com alguém que de fato ouve você: Eu sou o máximo adora um monólogo! Ele finge que te ouve por 2 minutos enquanto prepara o discurso sobre todas as suas qualidades, seu sucesso profissional, seu desempenho atlético, sua família perfeita, os lugares que viajou, os livros que leu... para ao final ter a cara-de-pau de dizer algo como "eu sou um cara tão simples, tão comum", apesar de ele ser o máximo. Argh!

4. Não aceitar favores: Eu sou o máximo geralmente se apresenta dizendo "o prazer é todo seu", porque ele tem plena convicção de que a honra e a sorte de conhecê-lo é toda sua. Não é horrível conviver com alguém que age como se estivesse te fazendo um favor?



5. Manter-se em níveis seguros de exposição ao drama desnecessário: Eu sou o Máximo adora um drama, principalmente se ele está no centro do palco como protagonista sofredor. Os dramas são todos épicos e pertinentes, tanto quanto a questão da fome na África: "todas se apaixonam por mim" (ohhhhhhhhhhhhhhh); "eu magoo as mulheres, isso me faz sofrer" (nossa!); "ninguém me compreende", ou ainda "eu sofro tanto com a inveja...todo mundo quer ser igual a mim".



6. Assegurar que o centro da terra permaneça no seu devido lugar: Eu Sou o Máximo ignora solenemente todo o conhecimento humano acumulado sobre o sistema solar (o sol é a estrela maior, os planetas giram em torno dele) e jura que o mundo gira ao seu redor: tudo é com ele, para ele, sobre ele.




7. Não ter que aturar a síndrome do saci: um dos efeitos colaterais das sucessivas tentativas de desestabilizar o sistema solar e roubar o lugar do sol como a estrela maior é que Eu Sou o Máximo vive vestindo a carapuça. Como ele acha que tudo é mesmo com ele, para ele e sobre ele, ele acaba assumindo que até o que não é com ele É COM ELE. Eu Sou o Máximo costuma ficar revoltado em situações absurdas e incompreensíveis como quando alguém fala mal de uma terceira pessoa (sim, existem outros seres no mundo além de Eu Sou o Máximo) e ele cisma que é com ele. Agora me diz: Se você não é um idiota e passa na rua e alguém grita "tem um idiota na rua" (quando a rua está cheia de gente), porque cargas d'água você gritaria de volta algo do tipo "tá me chamando de idiota porquê?



8. Poupar-se de passar sede ou fome: Eu sou o Máximo frequentemente se apresenta como a última coca-cola do verão ou o último biscoito do pacote. Ele se acha extremamente desejado e irresistível... é o heart braker. Mas a gente sabe que só mesmo o babão pra aguentar essa ladainha toda!



9. Escapar de ser preso por exercício ilegal da profissão: Eu sou o Máximo é cheio de questões existenciais. Vai ser inevitável você ter que lidar com isso o tempo todo e responder a perguntas de consultório de psicologia tipo: "eu não sei porque sou tão bonito, você me amaria se eu fosse feio?". Ele quer ser "analisado", mas você que não tente criticá-lo, porque análise só é válida se pressupõe dizer que ele na verdade não tem defeito nenhum, o problema são sempre os outros, caso contrário, ele vai dizer que você é maluca e vai procurar alguém mais agradável para analisá-lo. Ou seja: alguém que diga o que ele quer ouvir.

Meninos e meninas... nós sabemos que papai do céu quando nos fez jogou a forma fora. Todo mundo é único à sua maneira. Ser único é... digamos, comum (já que ninguém é igual). Dependendo do ângulo que olhamos, achamos algumas pessoas mais legais, outras menos. Mas a diferenciação, como na teoria da relatividade e na semiótica, está no olho de quem vê e não em quem está sendo visto.

Sendo assim, não existem razões para ninguém se achar tanto. Além do mais, se tudo depende do referencial, pra você ser "o cara" ou "a mulher" o fundamental não é VOCÊ se achar profundamente O MÁXIMO, mas todos ao seu redor afirmarem isso. Seria esse o seu caso? Hummmm... não concordo nem discordo, muito pelo contrário e vice-versa.

Agora, se você acabou de ler esse texto e se identificou, recomendamos a leitura e releitura dos posts 1 e 2 por 365 vezes, um vez ao dia durante um ano, iniciando tratamento homeopático a partir de 1º de janeiro de 2010. Caso ache necessário reforço, também recomendamos a leitura semanal do mito de Narciso (e, em casos extremos, o uso de bóias quando próximo a superfícies aquáticas que possam projetar seu reflexo na água, caso você não consiga resistir e se jogue...).

3 comentários:

  1. Olha, eu não sei você, mas eu sou o máximo sim!

    ResponderExcluir
  2. Eu também sou, hauhauhauahuahu.

    ResponderExcluir
  3. nó, se ele vestir a carapuça agora vai ser realmente verdade!!! By the way, this is Liza

    ResponderExcluir