sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Cap IV - Como conquistar um cafajeste

No meio do caminho, apesar de todos os avisos, você se apaixonou. Você se vê numa roubada e, mesmo assim, não consegue deixar de gostar do cara. E isso parece ser ainda pior, porque te faz pensar que é um sentimento ruim, feio, errado... afinal de contas você sente que deveria mesmo era estar apaixonada por um bom moço.

É nesse momento que você se pergunta: porque diabos eu deveria tentar conquistar um cara que se esconde atrás da identidade de cafajeste e tem todas aquelas características abomináveis descritas no Cap I que são exatamente as que eu não gostaria de ter no homem da minha vida? A-Ha! You have a point, dear.

Porém, se você chegou até aqui e continua apaixonada pelo cara é porque, sem perceber, você de fato passou a gostar dele para além das máscaras que ele usa. E, nesse caso, não vai ser difícil perceber que cafajestes são mais frágeis do que aparentam ser. A estratégia dele de nunca expor sua fragilidade e não se entregar é um sinal claro de que, ao deixar uma mulher insegura, ele pensa que ninguém vai perceber o quanto ELE é inseguro. Eles parecem lobos, mas no fundo são apenas meninos assustados fazendo cara feia tentando fazer o outro inseguro para se sentir mais forte.

No fundo, os cafajestes estão completamente perdidos nesse cenário novo de interação entre homens e mulheres - estas cada vez menos dependentes nas relações. E quem é que não está? Talvez não seja o fim do mundo apaixonar-se por um cafajeste, porque no final das contas, quando gostamos de alguém estamos todos no mesmo barco e nos sentimos expostos, desprotegidos, desamparados. Não queremos ser nem parecer fracos demais, mas queremos SIM poder, de vez em quando, nos deixar cair no colo de alguém que cuide da gente e que, principalemente, não nos faça sentir mal ou ter medo de mostrar nosso lado frágil de vez em quando.


Não queremos ficar aos pés do outro - e nem devemos. Mas também estamos deixando de ser felizes de verdade porque a objetividade e a falta de paciência de ambos os lados em sentar, respirar fundo e simplesmente conhecer o outro nos faz agir como se estivéssemos traçando estratégias de guerrilha, pra evitar qualquer exposição “desnecessária” ao inimigo.

Se proteger passa a ser mais importante que fazer o que de fato se tem vontade. E aí você quer vê-lo, quer ligar pra ele, quer dizer o quanto gosta dela, quer se entregar, quer mergulhar de cabeça e ser feliz enquanto dure mas... tem essa sensação de que tem uma bola de ferro presa ao pé e que, se você se jogar, vai parar no fundo do mar e nunca mais virá à tona.


Acho que não existem homens que sejam só meninos desprotegidos ou lobos o tempo todo. Todo mundo é uma mistura dos dois. E um cafajeste pode ser de fato um homem incrível para além das aparências de lobo. Eu brinco que penso em trocar meu coração por um fígado, mas acredito, na verdade, que de todos os medos idiotas que posso ter (do escuro, de aranha, do bicho papão...), o pior deles é o medo de gastar o coração. Não fique tentando economizar sentimento querendo gostar do menino sem sal que não faz os seus olhos brilharem só porque vai dar menos trabalho. Escolha o brilho dos olhos!

SIM, pode parecer o cúmulo da loucura decidir se aventurar na missão de conquistar um cafajeste. Mas, existe uma luz no fim do túnel! No Cap II eu disse que o cafajeste tem a necessidade de ser admirado por qualidades que ele acha que seriam as do homem ideal que ele gostaria de ser, lembra? Para além disso, o que você talvez não tenha percebido é que o cafajeste PRECISA ser admirado por alguém que ele próprio admire, do contrário, ele não poderá se sentir especial.

Funciona assim: se ele te considerar feia, burra e chata, você admirá-lo ou não, não faz a menor diferença pro ego dele. Ou seja: ele escolheu você porque VOCÊ é boa o suficiente para fazê-lo se sentir especial ao admirá-lo.

E ao final do post, quando você se pergunta cadê a promessa do manual com passo-a-passo sobre como conquistar o tal cafajeste que eu li no título, eu digo: não existe manual pra conquistar homem nenhum - nem os cafajestes, nem os não cafajestes. É isso mesmo! De novo, eu digo: amor é tentativa e erro. Se você quer conquistar o cafajeste, precisa apenas não rejeitar o que você sente por ele e dar um passo de cada vez. Agora, quais são os passos, só vocês dois poderão descobrir juntos.

O que quer que você faça, não importa... porque gostar de alguém é instintivo. A única coisa que você precisa fazer é mostrar pra ele que se entregar e viver alguma coisa além da superfície pode valer à pena. E como é que você percebe que tá no caminho certo? Bem, se para cada passo que você der em direção ao "foram felizes para sempre" ele der outro, significa que você o está conquistando, simples assim.

Mas vê se não esquece de todos os posts anteriores desse manual e vá com calma... acima de tudo: aceite a possibilidade de não dar certo, porque essa é uma das premissas básicas não só pra lidar com cafajestes, mas pra qualquer relacionamento. Felicidade não é que nem eletrodoméstico que já vem com garantia, então escolha bem o que vai levar pra casa e aproveite enquanto dura, porque ser feliz HOJE sempre faz valer à pena qualquer amanhã.


_____________________________________

Leia Também:
Introdução ao manual do Cafajeste
Cap I: Por que as mulheres preferem os cafajestes?
Cap II: Passo-a-passo para a utilização do cafajeste
Cap III: Cafajestes também sofrem

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Sabedoria das amigas V


Quem não come não leva!

Cap. III - Cafajestes também sofrem


Muita gente acha que a vida do cafajeste é fácil. Ledo engano! Eu me atreveria a dizer que cafajestes são mais infelizes que as mulheres que sofrem por eles. Me explico:

Cafajestes são prisioneiros da própria prisão que criaram para as mulheres que conquistam. Contaminados pelo próprio veneno, não conseguem ser felizes sem o prazer da conquista e estão andando em círculos sem a possibilidade de encontrar satisfação, nem amor. Isso porque ao fazerem uma mulher se apaixonar por eles (e eles sempre o fazem de forma intencional e calculada) para depois magoá-la, eles também precisam enfrentar o seu próprio vazio. Nós podemos chorar dias por eles, mas pelo menos teremos aproveitado o brilho nos olhos enquanto durou.

O cafajeste, pelo contrário, não sentiu nada além do prazer de conquistar um desejo e esse prazer que dura tão pouco sempre vem acompanhado da dor de não sentir nada de verdade. Ele não sabe como ir além, não consegue se entregar. É aquele aluno que todo ano repete a mesma série. É como abrir um vinho muito bom e nunca conseguir bebê-lo. É como ser chefe de cozinha e sentir o cheiro de comida gostosa o dia inteiro e nunca provar nada.

Cafajestes NÃO tem mil e uma possibilidades de escolha só porque um monte de mulheres está correndo atrás deles. Não existe liberdade de escolha se não é possível sair da própria prisão. Como já escrevi antes sobre esse processo de aceitar as coisas por inteiro, se cada vez que se chega a um ponto da relação em que há um problema ou alguém encosta o dedo da nossa ferida fugimos pra algo novo e "seguro", viveremos sem fim o ciclo da experimentação, estaremos presos em nós mesmos.

Como o Bill murray no Feitiço do Tempo (Groundhog Day), o cafajeste vive indefinidamente a mesma fase de um relacionamento. No início ele pode até se sentir feliz e dono da situação só porque sabe exatamente o que fazer e pode controlar tudo o que acontece. Ele acorda sempre na fase da paixão... a fase boa. O dia termina a uma certa altura do relacionamento (que pra alguns pode ser uma semana, um mês, seis meses, um ano...) quando ele esbarra no mesmo problema, na incapacidade de deixar a máscara cair e se expor, deixar-se gostar pelo que ele de fato é e gostar do outro, ansiar por uma ligação, sentir frio na barriga, ver os olhos brilharem por ela.

Mas... quando ele acorda no dia seguinte, é o dia da marmota... está tudo igual... e não importa se o "igual" é bom ou ruim, porque os olhos dele já estão cansados de ver e sentir a mesma coisa, de começar tudo de novo. Será que essa prisão tem saída?

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Cap. II - Passo-a-passo para utilização do cafajeste


Você sabe reconhecer um cafajeste, sabe a exata razão de ter o dedo tão podre e, mesmo assim, não consegue se desapegar dos cafajestes e não faz idéia de como fugir desse heart breaker ambulante. Justificativa? Ele é charmoso, inteligente, tem um beijo absurdamente bom e viciante e é uma companhia consideravelmente agradável.

Depois de tudo, acho que chegamos a um ponto em que não há mais o que fazer mesmo. É hora de aceitar a realidade, não como você gostaria que fosse, nem como ela parece ser. É preciso aceitar a realidade como ela é. Já que não é possível vencer o cafajeste, junte-se a ele!
Se essa é a sua situação, você precisa saber com quem está lidando. Eu já ouvi dizerem que, se você conhece seu “inimigo” e a si mesmo, a vitória é uma questão de tempo. Não sei se isso vale para o amor, mas não custa tentar ;-)

São poucos mas FUNDAMENTAIS os passos que você precisa dar para a “utilização” do cafajeste, de modo que se possa tirar o melhor proveito dele e se expor o mínimo possível ao risco de ter um coração partido. Porém, um aviso: eu já deixei claro que correr riscos é a única maneira de não viver pela metade... então, conforme-se com o fato de que nada é 100% garantido.

Passo nº 0 >>> Conheça e ENTENDA a premissa básica do cafajeste: uma vez que ele consegue conquistar o que deseja o interesse acaba e ele parte pra outra. A única forma de mantê-lo interessado é não deixar que isso aconteça. Solução? Faça o jogo das mil e uma noites: a cada encontro você começa a contar uma história que não termina, pra ele querer te encontrar no dia seguinte e saber o final. E no dia seguinte você conta o final e começa outra história, cujo final você só vai contar no dia seguinte. Morda e assopre...

Passo nº 1 >>> Jamais, em hipótese alguma, considere a possibilidade de que vocês vão namorar. Se você não é capaz de não criar essa expectativa, sebo nas canelas e fique longe do cara até esquecer que ele existe! Só é possível curtir um cafajeste se você não cria expectativas de que a relação vá evoluir. Aproveite o momento, até porque um cafajeste sabe como poucos proprocionar momentos incríveis, com diversão, romance e aventura incluídos no mesmo pacote. Agora, se você é do tipo romântica, que não entende o conceito de desapego, melhor nem começar porque se ele farejar um milímetro de intenção de namoro que seja, pode contar que vai desaparecer.

Passo nº 2 >>> Você está lidando com um cafajeste e eles são seres escorregadios que escapolem muito fácil, quando você vê, já foi. Por isso, tenha o máximo de cuidado e discrição ao lidar com ele. Nem pense em entupir a página de scraps do Orkut dele com recadinhos comprometedores, não faça nada que possa deixá-lo exposto aos amigos e "seguidoras" dele porque, se você fizer isso, ele vai fugir na certa. Em outras palavras, don't broadcast! Aproveite o que rola no mundinho particular que inclui apenas você e ele e quanto ao resto do mundo, finja-se de morta.

Passo nº 3 >>> Jamais, em tempo algum, deixe um cafajeste perceber que você sabe quem ele é. O objetivo da "relação" que ele constrói com você é nutrir o desejo que ele possui de ser admirado. Ele "finge" ser o homem que ele gostaria de ser em seus ideais, porque, para ele, não é suficiente ser admirado, apenas. Ele precisa que você o admire pelas qualidades que ELE considera admiráveis, porque só assim ele poderá ter a sensasão de que é o homem que deseja ser. E se você deixar escapar que sabe que ele não é o garanhão que tenta aparentar e que você está ali apenas aproveitando o momento, quando na verdade ele espera que você acredite que ele é o homem da sua vida, é game over garantido.

Leia também:
Introdução ao Manual do Cafajeste
Cap I: Por que as mulheres preferem os cafajestes?

Filosofando

Namorado é como moda: depois que passa, você vê as fotos e não sabe responder como é que conseguiu sair com aquilo.

É, eu queria fazer um post sério e cheio de insights, mas não consigo.

Ah, como seria fácil... até interessante

Num papinho, depois de meia noite, entra umas cervejas e outras na Lapa...

- Por que você não arruma um namorado?

- Entre os fatores "pq não tô procurando" e "pq não tô afim", também porque não vende na farmácia.

Interessante como algumas pessoas acham essa empreitada tão fácil né?! Aliás, acham que se trata mesmo de uma simples tarefa . Mas depois, até que fiquei pensando que não seria má ideia. Já imaginou?

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Horóscopo

Bárbara Abramo previu que no dia de hoje eu teria "amor e fertilidade". Quer dizer que, se eu der para alguém, engravido?

domingo, 10 de janeiro de 2010

Cap I - Por que a mulheres preferem os cafajestes?


Ok, você já sabe identificar um cafajeste e provavelmente caiu a ficha de que você se encantou por mais tipos assim na vida do que imaginava. Isso se não estiver encantada por um exatamente agora! No meio de dramalhões mexicanos de amigas que foram ludibriadas, enganadas e tiveram seu coração partido, é ululante que a atitude "cafajeste" desperta muito mais o interesse de uma mulher que a de "bom moço". E eu acho que isso tem explicação!

A pergunta que não quer calar: porque preferimos os cafajestes?

Well, my dear, é muito simples. Ao contrário do que se diz por aí sobre como o olhar das mulheres é futilmente atraído por dinheiro, beleza e status (a invasão das Marias - a chuteira, a gasolina, a tatame, a batalhão e até Maria-fuzil) não estamos interessadas nem no dinheiro, nem no carro, nem na fama, nem no poder em si. Não, não. Não somos de fato nenhuma outra Maria que não a “Maria-vai-com-as-outras". Queremos, na verdade, o que as outras querem ou parecem querer.


Tá achando que eu tô tirando isso da minha mente criativa? Ãnh Ãnh. É oficial: uma pesquisa feita com 35 mil pessoas de 57 países foi publicada na revista New Scientist diz que os canalhas tem mais sucesso com as mulheres. E ainda de acordo com pesquisa da universidade de Oklahoma, conduzida pelas pesquisadoras Jessica Parker e Melissa Burkley, mulheres preferem homens casados.


Como falei no post anterior, não se pode negar que os cafajestes são mais sedutores e instigantes. Eles sabem dizer o que queremos ouvir. Não é à toa que são tão desejados pela maioria: eles são confiantes, atenciosos, bons amantes e extremamente concorridos! Homens bonzinhos, por outro lado, ao quererem oferecer seu coração de bandeja retiram de nós a possibilidade da conquista. Sem isso, somos impedidas de tentar ser aquela (the one) que vai conquistar o coração mais desejado do pedaço.


Não podemos nos sentir especiais se não pudermos de alguma forma provar isso. Em outras palavras, ainda que você corra mais que uma lebre, jamais entrará numa corrida em que não haja competidores, porque não existe mérito sem esforço, simplesmente não tem graça.

Quando conquistamos um homem desejado por todas, na nossa cabecinha de vento, achamos que estamos sendo escolhidas entre todas e, por isso, somos especiais, da mesma forma que ao desejar um homem casado, não desejamos o homem em si, mas o objeto de desejo de outras mulheres.


Ao contrário do que pensamos - de novo! - estamos mais uma vez escrevendo certo por linhas tortas. Sem entender nossa lógica às avessas ficamos nos perguntando por que temos o dedo tão podre pra homem quando nos apaixonamos pelo cafajeste. Na verdade, estamos tentando encontrar outra coisa. Desejamos algo que mesmo aqueles que não sejam deslumbrantemente bonitos, ou ricos ou concorridos como os cafajestes podem nos oferecer (pelo menos em teoria): nos fazer sentir especiais.


Ou seja: não desejamos o cafajeste especificamente, desejamos nos sentir a mais desejada das mulheres. O problema, nesse caso, não é o cafajeste em si, mas a forma como buscamos nos tornar mulheres especiais.

Sofremos de uma alucinação louca. Corremos atrás de um desejo irrealizável porque não existe no mundo homem que possa nos escolher entre todas as mulheres. Brincamos de gato e rato o tempo todo. Nenhum cafajeste vai ser capaz de nos fazer sentir únicas, one of a kind, assim como também nenhum dos corações que um cafajeste seduzir vai conseguir satisfazê-lo.


A verdade nua e crua sobre nossa “preferência"

1. Nós não preferimos, nós escolhemos os cafajestes (seja pelo seu poder de sedução, seja pelo efeito manada que eles provocam, seja pra alimentar nosso ego). E fazemos isso porque enxergamos neles um oásis no deserto... quando pensamos que vamos matar a sede, percebemos que era apenas uma miragem.


2. Não somos nem nunca fomos enganadas por eles, não adianta fazer drama, nem reclamar de falta de sorte no amor, nem achar que não existem homens bons no mundo. Não gostamos de sofrer, gostamos do Manoel Carlos. Queremos grandes reviravoltas, fortes emoções, expectativas, conquista, desejo, brigas, reconciliações, imprevisibilidade... um relacionamento com vida.


3. O mundo ta cheio de homens bonzinhos. É isso mesmo! Insistimos que eles não existem quando na verdade nós é que não temos olhos pra eles! Bonzinhos não nos fazem especiais, e esse é o problema com eles (além deles serem monótonos, não serem sedutores etc e tal). Se somos bonitas, inteligentes, gostosas, ricas e sei lá mais o que, continuamos sendo uma no meio de tantas. Queremos mais, porque isso tudo não é suficiente perto do incomparável “você é especial”. Hell yeah! Queremos ser únicas na cidade, no estado, no planeta, fora do planeta até (se houver vida extraterrestre), no universo e, se possível for, em todas as galáxias que puderem existir...


Leia também:

Introdução ao Manual do Cafajeste

Cap II: Passo-a-passo para utilização do cafajeste

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Introdução ao Manual do Cafajeste

Ele é charmoso, irresistível e "pegador" e, por isso mesmo, uma péssima escolha para você que não procura apenas um caso e quer fugir de mais um coração partido.

Para entender o mundo do cafajeste, criamos um manual que publicaremos como uma série de posts ao longo dos próximos dias, com tudo o que você precisa saber para reconhecer um. Uma vez que você já saberá com quem está lidando, fugir ou não é escolha sua!


Como reconhecer um cafajeste


1. Um cafajeste não é o mesmo que um cretino. O primeiro passo pra reconhecer um cafajeste é saber diferenciá-lo de um cretino. Cretinos são ogros disfarçados de gente, do tipo que agarra uma mulher pelo braço e tenta beijar à força, faz grosserias com a namorada em público, é extremamente machista, possessivo, ciumento, violento (verbal e fisicamente) e egoísta.


2. Meus movimentos são friamente calculados: cafajestes, ao contrário dos cretinos, não são dados a impulsividade. Eles sabem exatamente o que fazem, são homens decidos, que lideram, que conduzem a mulher pra onde querem (geralmente até a cama deles) apenas com o uso do seu charme. E sim, eles são charmosos! Cada passo que eles dão em direção e uma mulher é extremamente calculado de maneira a obter o resultado que eles desejam. Um cafajeste jamais vai com muita sede ao pote. Ele não "agarra" um mulher... ele a seduz até um ponto em que ela queira agarrá-lo.


3. Discrição é a alma do negócio: cafajestes não fazem alarde sobre suas conquistas, a não ser entre amigos íntimos. Em público são discretos e quando estão interessados em uma mulher demonstram interesse sem exagero, com olhares certeiros, mas sem “comer com os olhos”.


4. Homem de alma feminina: cafajestes geralmente se vendem como homens "sensíveis" e costumam fisgar a mulher contando histórias bonitinhas sobre a família, sobre como ele gosta de levar o sobrinho no parquinho, como ele cuida da irmã ou coisa do tipo. Cafajestes conhecem o modus operandi da mente feminina e sabem dizer exatamente o que as mulheres querem ouvir. O objetivo deles? É simples: mulheres encantadas baixam a guarda e revelam o ponto fraco a ser atacado, é só disso que eles precisam para fisgarem mais um coração.


5. Morder para assoprar: cafajestes procuram sempre confundir as mulheres, com ações totalmente contraditórias, ora fofas, ora blasé. Ao mesmo tempo em que eles mandam sinais de estarem apaixonados, também costumam agir como se não dessem a mínima: num dia eles te mandam flores, enviam mensagens apaixonadas e, no outro, desaparecem completamente, e depois reaparecem. Eles gostam de ser imprevisíveis e fazem o que querem, quando querem. Isso deixa as garotas perdidas...


6. Curso de enrolação avançado: um bom cafajeste consegue enrolar indefinidamente uma mulher com palavras e atitudes que dão margem a várias interpretações. Ou seja, cafajestes não mentem, eles omitem! Um cafajeste nunca dirá com todas as letras um "quer namorar comigo?"ou "te amo!" e coisa do tipo. Experimente perguntar algo como "Estamos namorando?". Em vez de responder, ele vai abrir aquele sorriso encantador e vai te dar um beijo de tirar o fôlego te fazendo esquecer até quem você é. E aí, na sua cabecinha de vento, você vai achar que o beijo foi um "sim". Até você descobrir, na semana seguinte, que ele está saindo com a Mariazinha e quando você questioná-lo ele vai dizer algo do tipo: "eu nunca disse que a gente estava namorando", achei que tinha deixado claro que eu estava curtindo, mas não era nada sério.


7. Aversão ao compromisso: cafajestes não namoram - a menos que realmente caiam na armadilha de se apaixonar de verdade (o que é extremamente RARO). Para manterem seus "relacionamentos" num eterno banho maria, eles sempre inventam que estão passando por um momento difícil, ou dizem que acabaram de sair de uma relação, que estão numa fase complicada no trabalho e não têm tempo ou que gostariam muito de se entregar mas estão traumatizados e têm medo... ou coisa do tipo. Ao mesmo tempo, pra manter a mulher interessada eles fazem declarações do tipo "nunca conheci alguém como você" ou "ninguém nunca me olhou do jeito que você me olha" ou ainda "eu não lembro de ter conhecido uma menina tão especial quanto você, faz muito tempo que não me interesso assim por alguém", tudo pra te fazer acreditar que você pode ser aquela capaz de conseguir causar o degelo do coração dele.


8. No limite entre a arrogância e auto-confiança: quase sempre é difícil diferenciar se o cafajeste é auto-confiante ou arrogante. Além de tudo, cafajestes se sentem porque geralmente tem uma boa aparência e muito charme, além de saberem se impor, coisa que muitas mulheres gostam. Esse tipo de personalidade cria um círculo vicioso a favor deles: 1) a beleza e o charme atraem mulheres; 2) o assédio das mulheres aumentam sua auto-estima; 3) auto-estima elevada atrai mais mulheres. 4) a mente humana pensa algo como "se todas querem, ele deve ser bom", fazendo com que aumente ainda mais o assédio e consequentemente, a auto-estima do sujeito. Esse ciclo só pode ser quebrado quando alguém descobrir que o cara é uma farsa, uma invenção, uma imagem projetada pelo olhar de mulheres que seguiram cegamente aquelas que foram atraídas num primeiro momento pela beleza física.

9. Não sou só um corpinho bonito: cafajestes não são aquele tipo cujo único assunto é futebol, a última capa da playboy e videogame. Não! Um cafajeste típico é inteligente, sedutor, instigante, interessante e consegue falar sobre qualquer assunto. Ele é capaz de falar sobre todos os tipos de assunto imagináveis, desde como investir na bolsa de valores até cinema cult, a economia mundial, fome na África, BRICs, o crescimento da América Latina, a questão das FARCs na Colômbia, história do Brasil, esportes e se duvidar até moda.


Agora que você já sabe reconhecer um cafajeste, no próximo post tentarei desvendar o porquê de as mulheres preferirem esses aos bons moços.


Em tempo: alguém aí tem alguma outra característica a acrescentar?

Leia também:
Cap I: Por que as mulheres preferem os cafajestes?
Cap II: Passo-a-passo para a utilização do cafajeste

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Sabedoria das amigas IV

Respostas objetivas sempre economizam tempo. Por exemplo, quando uma pessoa insistir, insistir, insistir e insistir que é a pessoa certa pra você, o parceiro ideal, o seu destino traduzido em pessoa e etc, responda rápido:

"Olha, além de você não ser o que eu estou procurando, você é exatamente o que eu tenho evitado no momento. Obrigada!"

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

O fim do ponto G

Pois é! E como se já não bastasse todas as dificuldades que temos em todo E qualquer relacionamento, "brilhantes" cientistas ingleses divulgaram uma "importantíssima" pesquisa afirmando que o FAMOSO ponto G não passa de um mito.

Como assim MITO???

Pelo visto, agora o que nos resta é ter menos um argumento para o cara "perceber" que tá faltando alguma coisa. A gente chamava de ponto G pra ficar bonitinho, mas geralmente era um pacote inteiro...
Fonte: G1

sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Ano Novo ... Amor Novo



Se você começou o ano novo com o velho amor de sempre e está feliz, ótimo. Se você não está, tá na hora de fazer alguma coisa a respeito. Se a sua categoria é solteira(o) encalhada(o) o mundo também não vai se acabar. E antes que você saia correndo pra procurar um amor pra chamar de seu porque sentiu bater um desespero quando percebeu que mais um ano acabou e você não encontrou ainda "a pessoa certa" (enquanto essa louca que escreve nesse Blog pede a Papai Noel o Homem Errado), fique sabendo: o amor não faz parte do Planejamento Estratégico nem está discriminado no Orçamento Anual, tipo "esse ano pretendo gastar 1000 beijos apaixonados, 30 sessões de cinema a dois, 10 jantares românticos, 1 viagem surpresa"...

Já falei aqui sobre escrever certo por linhas tortas. E é isso: o amor é... essa coisa que foge quando você corre atrás... ele é essa coisa absurdamente irônica que te encontra quando você desiste de procurar, quando na verdade, bem lá no fundo, a gente nunca desiste. Ele é o que, em maiores ou menores doses, todo mundo quer encontrar no final das contas. Porque eu conheço pessoas que não querem ter filhos, pessoas que não querem casar na igreja, que não querem morar na mesma casa, nem assumir "compromisso". Mas não conheço ninguém que realmente queira ficar sozinho pra sempre... ninguém que de fato não goste de gostar e ser gostado.

Então, o que eu desejo pra mim e pra TODOS vocês no ano novo é um novo amor (que te faça bem, que te faça feliz, que te faça sonhar acordado). Se você não tem nem nunca teve um, esse é um ótimo desejo pra 2010. Se você está com um que é pior do que o que eu pedi pro Papai Noel, um amor novo é questão de vida ou morte. E se você já tem o seu e acha que meu desejo não faz sentido pra você, bem, eu disconcordo... porque mesmo amores de 30 anos precisam se renovar todo dia. Então... todo mundo quer mesmo um amor NOVO, ou um NOVO amor... sempre.

Feliz ano novo!