quarta-feira, 3 de março de 2010

Nova modalidade de divórcio

A mulher estava casada e determinada a se separar. O que uma pessoa "normal" faz num caso desses? Esta criatura levou seu futuro ex-marido pra um centro espírita pra consumar a separação. Hein?!

Segundo a própria, enquanto o cara achava que ela o estava levando pra lá pra "consertar" o casamento e uní-los novamente, ela queria, na verdade, usar aquilo pra separá-los de vez.

Relato: "Ele rasgava as folhas do evangelho, ele ficava irritado e eu lá cada vez mais calma, mais evoluída, mostrando pra ele que ele não ia conseguir me irritar porque eu já tinha seguido em frente e estava crescendo, enquanto ele estava lá cultivando a raiva, parado no mesmo lugar".

Até hoje eu só conhecia duas formas de dissolver um casamento válido: divórcio e morte. Deve ser o primeiro caso na história do espiritismo em que alguém leva uma pessoa num centro espírita pra separar. Sei lá, levar o cara que você já considera futuro ex irrevogavelmente num lugar assim pra "torturá-lo" é muita bizarrice.

Nesses momentos, eu sou adepta do tradicionalismo. Já que sou contra matar seres vivos em geral, que tal simplesmente procurar um advogado, hein querida?

3 comentários:

  1. Bons tempos aqueles em que roupas masculinas voavam pela janela,e proporcionavam um belíssimo espetáculo para os vizinhos...

    ResponderExcluir
  2. Você é contra matar seres vivos em geral, mas de vez em quando abre uma exceção?

    ResponderExcluir
  3. Pois é Gabi. Mas a criatividade humana não tem limites. O melhor é a própria pessoa contar isso como se fosse a idéia mais madura e inteligente do século! E o povo todo em volta horrorizado, rsrsrs.

    Quanto a matar seres vivos... por hora não há ninguém que mereça que eu acumule esse karma. Exceções só pra baratas e mosquitos...

    ResponderExcluir