terça-feira, 27 de julho de 2010

Um lembrete


De vez em quando a gente se distrai e quase esquece a única coisa que conseguiu aprender sobre o amor: que não entendemos nada do assunto.

Considere este um mantra, um lembrete para que, na melhor e na pior das situações você saiba sempre a realidade das coisas, que a vida é como ela é e que o amor é uma falácia.

No matter what, no final das contas, ele vai te surpreender... é só uma questão de tempo. Geralmente a surpresa vai acontecer justamente quando você começar a achar que está entendendo do assunto e está dominado esse campo da sua vida com destreza.

É aí que o amor se vira pra você, dá a sua risada sarcástica e diz: "Baby, isso não vai acontecer".

domingo, 25 de julho de 2010

FB

Querido Facebook,
Apesar do que as dezenas de pessoas em comum podem levar a crer, eu não quero acrescentar aquele ex-namorado à minha relação de amigos do facebook. Por favor, não insista. Obrigada.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Quem somos nozes!

Cada uma com um perfil e uma visão sobre o amor... mas todas com algo em comum: ninguém entende nada do assunto ;-)

Em vez de fazermos autopropaganda, pedimos que amigos e amigas nos descrevessem quando o assunto é .... AMOR. Resultado: filme queimado, com certeza.

Pah

Serial dater, pára-ráio de homem maluco. Tem as histórias mais bizarras sobre relacionamentos, encontros e desencontros. Já saiu com caras absurdamente loucos pelo puro instinto de antropóloga, ou só por ser serial dater mesmo. Quando se apaixona de verdade, não importa o quão louca seja a situação: ela é quase suicida amorosa, não existe conselho de amiga que a faça não se jogar de cabeça.

Mas isso não quer dizer ela saia com qualquer um.... Ô mocinha difícil de agradar! É difícil conseguir ser a criatura que a faça ficar com aquele brilho nos olhos! Caras normais, previsíveis e acessíveis não conseguem mais do que um oi seguido de um tchau. Ela pode até negar, mas para agradá-la de fato é importante que o carinha em questão tenha algum diferencial maluquinho, o que acaba tornando-a um pouco maluquinha também. :-)



É a autora do Blog que geralmente escreve "coisas sérias e cheias de insights". Definitivamente a romântica por aqui, com suas excentricidades: consegue sair e beber todas num dia, mas pode sentar num bar sábado à noite e tomar água com limão e laranja e comer salada.


Luca

Luca é objetiva e prática: ou você quer, ou você não quer. Ou você vai, ou você não vai. Não se envolve emocionalmente, não se apega, não liga no dia seguinte, ou liga - porque ela não segue nenhuma cartilha, todos os relacionamentos - sem exceção - são freestyle.

Ela sempre diz "I don't do dating, só faço freela". Ha, ha, ha! À primeira vista, pode até parecer. Mas, no fundo, um dia descobriremos que a Luca é, na verdade, a mais romântica e sensível das três.

O único problema dela no amor é o jeito que ela se enxerga. Porque o que ela é, no fundo, é uma "menina" muito especial que se recusa a admitir que, como qualquer pessoa no mundo, quer gostar e ser gostada na mesma medida e encontrar alguém especial que encerre esse eterno ciclo de experimentação de sua vida de freelancer do amor.



Gabi

Gabi é impulsiva, descoordenada, e muito desligada. Não tem nenhum talento no mundo da conquista e não entende nada dessa coisa de dança do acasalamento, flerte e pegação. Ela não tem paciência, acha que tudo isso dá muito trabalho. Desculpa esfarrapada? Egoísmo? É bem possível... porque é bem provável que a "falta de paciência" seja só uma desculpa que esconde a constatação de um "você não é interessante o suficiente pra me fazer esticar o braço". She still haven't found what she's looking for...

Tem um estilo de "a super sincera", o que permite que as pessoas percebam muito claramente se ela gostou ou não delas. Acredite, não fica qualquer dúvida. Além disso, anda pra cima e pra baixo com o manual "como ser escrota pra caralho, nível avançado"... diz ela que toda essa objetividade é ótima pra ela e pros outros: eles não perdem o tempo deles e ela não perde o dela.

Fã incondicional do Tarantino, se você a convidar pra assistir os dois volumes de Kill Bill - com bastante sangue, porradaria, espadas e afins - é capaz de conquistar o coração da Gabitrix. Se bem que, a essa altura, conquistar o coração da Gabi vai ser difícil: se alguém aqui trocou o coração por um fígado, definitivamente foi ela.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Fofo

http://vimeo.com/13259028

Coisas que só acontecem no cinema, nas novelas ou na internet. Na vida real, você compra a sua própria aliança e olhe lá.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Da série: casar pra quê? III

Quando o nosso cortador de grama quebrou, minha mulher ficava sempre me dando a entender que eu deveria consertá-lo. Mas eu sempre acabava tendo outra coisa para cuidar antes: o caminhão, o carro, a pesca, sempre alguma coisa mais importante para mim. Finalmente ela pensou num jeito esperto de me convencer. Certo dia, ao chegar em casa, encontrei-a sentada na grama alta, ocupada em podá-la com uma tesourinha de costura. Eu olhei em silêncio por um tempo, me emocionei bastante e depois entrei em casa. Em alguns minutos eu voltei com uma escova de dentes e lhe entreguei.
- Quando você terminar de cortar a grama, eu disse, você pode também varrer a calçada.

Dia Mundial da Liberdade

Nada melhor do que ver uma mulher, livre e sem frescuras, em contato com o campo e com as coisas boas que o campo pode lhe proporcionar.

terça-feira, 13 de julho de 2010

lições que se aprendem

''Primeiro passo pra pegar mulher: Não usar, em qualquer circustância, a expressão "pegar mulher".

By @hugogloss

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Lições de Frida Khalo e Diego Rivera

1) Um casamento aberto é ideia de sempre uma das partes. A outra está apenas resignada.
2) Um casamento aberto, na verdade, começa porque uma das partes já (no mínino), entreabriu o casamento.
3) Mesmo num casamento aberto uma das partes consegue fazer merda. Como pegar a irmã mais nova da esposa.

Mais sobre Frida Khalo: http://pt.wikipedia.org/wiki/Frida_Kahlo

Da série: casar pra quê? II

Eu me casei com a 'Sra. Certa'. Só não sabia que o primeiro nome dela era 'Sempre'

sábado, 10 de julho de 2010

Da série: casar pra quê?

Se a Luca é adepta da filosofia "I don't do dating, só faço freela", eu (e quem sabe a Gabi também) poderia criar uma religião "I don't do marriage, só faço dating". Pare o mundo que eu quero descer... a cada pérola sobre casamento, eu fico mais propensa a me perguntar: casar pra quê?

"Lembrem-se, o casamento é a causa número um para o divórcio. Estatisticamente, 100 % dos divórcios começam com o casamento"

sexta-feira, 9 de julho de 2010

High Fidelity


Já disse por aqui que adoro os escritores que me deixam com uma sensação de "ei, eu sempre pensei assim, mas nunca expressei tão bem!". Nich Honby e seu Rob Gordon, de Alta Fidelidade, são bem por aí (aliás, super recomendo os livros do Nick Hornby. São sempre fáceis de ler no original e me fazer achar que meu inglês é espetacular). Ele(s) tem um raciocínio que é mais ou menos assim:


"Nas revistas femininas as mulheres estão sempre reclamando que os homens não gostam de preliminares, que preferem partir logo para o ato sexual em si. Que eles são desajeitados, egoístas e mal as tocam ou estimulam. Bom, eu acho isso muito irônico. Você passa uns bons três anos da sua vida, em uma fase importante para a formação da sua personalidad, em que tudo o que quer é ficar horas beijando e passando a mão numa menina e elas nunca deixam. E agora elas reclamam? Pelo visto, o casal perfeito é formado por uma leitora de Nova e um menino de 15 anos".

Homem invisível


Numa conversa de bar, pessoas questionavam a existência do namorado de uma das raparigas presentes, dizendo que ninguém conhecia o cara e tal e que ele só podia ser imaginário. Eis que a moçoila responde:

_Eu posso ser esquizofrênica, mas pelo menos eu tenho uma a outra

Será a esquizofrenia uma solução intermediária para a solidão? Melhor um namorado imaginário que nenhum? É, pode até ser, mas eu ainda prefiro os homens de carne e osso...

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Sabedoria das amigas XXIII

Uma amiga, sobre seus relacionamentos desastrosos:

_ Eu sempre achei que as experiências passadas iam servir para o próximo relacionamento. Sempre imaginei que "da próxima vez" eu ia ser capaz de detectar mais cedo que o relacionamento está morno, pra não ser pega de surpresa com um pé na bunda "inesperado". Mas a verdade é que os homens SEMPRE surpreendem, e não importa o quanto eu aprenda com em relações anteriores... eu sempre tenho essa sensação de que experiência é algo que você não tem até logo depois de precisar dela, no matter what.

terça-feira, 6 de julho de 2010

Sabedoria das amigas XXII

Uma amiga minha costuma dizer que sempre que ela faz alguma coisa "errada", ela faz com vontade, porque a pior coisa do mundo é quando você faz pela metade e depois paga como se tivesse feito por inteiro.

Um amigo meu também diz que é a Lei de Murphy: as respectivas nunca estão lá pra ver quando eles resistem bravamente a dezenas de mulheres lindas que dão em cima deles... mas basta um deslize, uma conversa, risinho ou aproximação entre dois corpos "quase meio que sem querer" que alguém aparece pra filmar de camarote e dizer "aposto que ele faz isso o tempo todo".

E é por isso que eles todos dizem:

_ Evite acidentes, faça de propósito!

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Diálogos com o namorado II

No desfile da Orquestra Voadora, no carnaval deste ano.
- Ih, não tão mais tocando trombone. Não é pra menos. Deve ser super cansativo ficar soprando aquilo por horas a fio.
- Pois é. Blow job não se chama job à toa.

domingo, 4 de julho de 2010

Sabedoria das amigas do twitter

"Preocupada porque ele não liga, sumiu? Fique tranquila! Assim que ele precisar de algo ele te acha por todas as vias: telefone, MSN, Facebook, Orkut..."

sexta-feira, 2 de julho de 2010

A auto-estima feminina

Seu namorado diz que você está gostosa, e você acha que ele quis dizer "gorda". O colega de trabalho diz que você está magra demais e que fica bem melhor com 3 quilinhos a mais e você acha o comentário dele o máximo, só porque tem a palavra "magra" no meio da frase.

Lembro claramente que durante um longo período de solteirice achei que havia alguma coisa errada comigo. Eu passava em frente a prédios em construção, portarias e pontos de táxi e nada, absolutamente nada acontecia. Digo: não arrancava nem um fiu-fiu sequer.


Só uma mulher pode entender os efeitos psicológicos causados pelo fato de não causar qualquer reação em frente a uma obra: é o tipo de coisa que poderia abalar a auto-estima de um ser do sexo feminino pra todo o sempre!


Vai entender: odiamos cantadas obscenas e jamais nos aproximaremos de homens que nos cantem assim, mas, por outro lado, se não recebemos tais cantadas, achamos que há algo de errado conosco. Gorda demais? Magra demais? Transparente talvez? Seria algum problema com meus feromônios me tornando desinteressante e sexualmente nula ao sexo oposto?

Eu simplesmente não entendo como funciona a tal da auto-estima feminina... alguém me explica!!!!!!!!!!

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Sabedoria dos amigos V


Everybody lies! Em tempos de mulheres neuróticas, tenho um amigo que acha que mentiras sinceras são a melhor saída... por isso, sempre que eu brigo com ele quando ele mente, ele diz:

_ Paloma, my dear, a verdade é o bem mais valioso que nós possuímos, por isso, estou economizando. Além disso, não é como se eu estivesse realmente mentindo... estou apenas dizendo a verdade, cuidadosamente editada. E não é isso que fazem os seus amigos jornalistas?