domingo, 29 de agosto de 2010

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Pulo do Gato II

Quando a noite é bonita assim, o dia nasce mais bonito ainda com o sol brilhando que é uma beleza.

Românticos de plantão, nada melhor do que cada um levar o seu par pra ver o sol nascer...


terça-feira, 24 de agosto de 2010

Contabilidade

1 primeiro encontro frustrado. 2,5 anos de novos convites. 2,5 anos de "nãos". 1 pessoa determinada. umas 4 semanas naquele estágio que os atores da Globo chamam de "estamos nos conhecendo". 5 viagens. mais de 2000 fotos. incontáveis jantares e passeios. 1000 brigas e 10001 reconciliações. 2 opções: a gente dorme na minha casa ou na sua? 47 vezes ele foi tomar banho e não levou a toalha para o banheiro. 50 vezes eu reclamei por causa disso. 0 filmes assistidos sem que eu dormisse no final. 1,7 hora por dia conversando no sistema de mensagens instantâneas do trabalho. "2 1/2 men" é um seriado machista que ele assiste e eu recrimino. 3 aulas de ioga que efetivamente fizemos juntos, apesar de sermos da mesma turma. 6 meses de namoro. 1 agradecimento por fazer parte da minha vida. com 3 dias de atraso.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Qual foi o beijo mais inesquecível da sua vida???


O beijo mais inesquecível de nossas vidas não precisa ser, necessariamente, o beijo do nosso grande amor.

Tem pessoas que passam por nós, rapidinho, só mesmo pra deixarem sua marca pra sempre. Claro que há marcas ruins, que não vou nem comentar agora pra não quebrar o clima. Mas há marcas boas como O Beijo Inesquecível.

O meu beijo inesquecível foi quando eu tinha 19 anos. Fiquei com esse cara uma vez só. Mas foi um momento mágico. E, sério, eu juro que ouvi sinos tocarem (e não tinha nenhuma igreja perto). Eu conto pra vocês:

Era um churrasco do trabalho, e eu estava louca esperando por ele. Depois que ele chegou, quando soube que eu o esperava, abriu um sorriso de orelha a orelha. E eu, óbvio, também.

Após muito daquele papo furado pré-beijo, em que a gente (eu e ele) esqueceu que tinham outras pessoas ao redor - e eu só consigo lembrar da música que tocava - fomos pra uma parte reservada da festa (afinal, era um churrasco de trabalho...rs). Ele saiu na frente e eu fui depois ...

- p.s.: o mais legal é que na hora a gente pensa mesmo que engana todo mundo ?! -

... bom, voltando, chegando la, ele me recebeu com os braços abertos, um sorriso enorme de felicidade, e eu recebi o abraço mais gostoso, e o melhor beijo pra mim. Lembro de todos os detalhes até hoje.

Agora, por que foi só uma vez que isso aconteceu já que foi tudo tão perfeito? Não faço a menor ideia. E também não quero saber. Muito mais jogo ficar aqui sonhando com o que é bom, ou melhor, com o que FOI bom.



E você, qual foi o seu beijo inesquecível?



sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Da série "fazendo um benchmark"

Porque Paris é tudo de bom e estar apaixonado é melhor ainda.

http://www.parisianevents.com/parisianparty/top-5-most-romantic-spots-to-propose-in-paris/

Ah, já ouvi duas histórias de pedidos de casamento em Santorini que foram negados. Eu não tentaria isso em casa.

Game Over


Quanto tempo se leva pra aceitar o fim de um relacionamento? Dizer adeus a um amor é um processo de libertação que pode ser poético, mas não deixa de ser triste e, ao mesmo tempo, devastador, porque quando um amor de verdade acaba, fica um vazio enorme. Um vazio que não sabemos como preencher, porque, na verdade, não pode ser preenchido.


Talvez não devêssemos olhar o fim de um relacionamento sob a ótica de fracasso ou sucesso. Separar-se pode ser um gesto de coragem ou não-covardia, a recusa de pessoas que se amaram profundamente em aceitar um sentimento menor, murcho ou cômodo em respeito ao amor que já existiu.


Não é fácil aceitar o fim justamente porque essa aceitação pressupõe se admitir falível, assumir as fraquezas e reconhecer defeitos, constatar que não somos blindados. Mais incômodo do que ficar tentando entender os porquês é ainda ter que lidar com sentimentos contraditórios que nos puxam em direções opostas: saudade, mágoa, raiva, culpa, carência, ciúme, lembranças boas, rejeição, medo, solidão, lembranças ruins – tudo junto e com uma intensidade que assusta.


Por que crises existenciais só acontecem quando não estamos no nosso melhor-eu? Bem, acho que é porque felizes, não nos importamos em não ter todas as respostas. Nada importa muito além da felicidade que sentimos e nem percebemos que as perguntas estão lá, em algum lugar, parte inseparável de nós.

Quando aparece na tela do jogo o Game Over é preciso aceitar. E aceitar que é Game Over significa conviver pacificamente com o vazio dentro de nós até que ele feche, sem tapar o sol com a peneira: não estaremos prontos para o amor novamente de um dia para o outro, não teremos todas as respostas e tentar preencher o vazio sem dar um tempo a si mesmo é receita infalível para o fracasso da próxima relação.

Deu Game Over? Sai do Play. Dê um tempo a si mesmo... faça um balanço daquilo em você que não ajudou no relacionamento. Renove-se. Recicle-se. E bola pra frente. Coloque-se inteiro. Nunca se sabe quando você vai acordar e descobrir que ainda pode se apaixonar de novo...

domingo, 15 de agosto de 2010

Essa eu vi no FB

"A maior covardia de um homem é despertar o amor de uma mulher sem ter a intenção de amá-la."

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Eu não tenho noção, e daí?

Eu e uma amiga no metrô, numa linda sexta-feira, indo ver uma peça de teatro:

Amiga:
Sabe a menina que eu divido apartamento? O noivo dela te conhece.

Eu: É mesmo? De onde?

Amiga: Ele estava falando alguma coisa sobre o trabalho dele e eu disse logo: "ah, uma amiga minha trabalha no mesmo lugar que você, o nome dela é Paloma, ela trabalha na Comunicação.Você não conhece?"

Se estivessem só a minha amiga e o noivo da amiga dela em cena, a resposta dele já seria suficientemente bizarra. Mas, pra provar que o céu está longe de ser o limite, a noiva do carinha em questão se encotrava ao lado dele quando ele deu a seguinte resposta sobre como me conhecia:

_ Ah sim, eu já tentei pegar a Paloma, mas não consegui.

Oi? Oi? Hein?

Por quê? Por quê? Por queeeeeeeeeeeee que noção não é uma coisa que se pode comprar na farmácia, tipo em comprimidos de 400mg? É como eu digo, não tem mesmo jeito... NOÇÃO: OU VOCÊ TEM, OU VOCÊ NÃO TEM.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Eu tive um sonho

Se há duas noites eu pesadeleei com meu infame ex-gerente (que na ocasião ao menos me dava o endereço da ponta de estoque da Osklen, coisa que nunca fez na vida real), esta noite o meu inconsciente fez as pazes comigo. Eu sonhei com o Ryan Reynalds. Fazendo uma aula (coletiva) de striptease.


Tudo bem?

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Pulo do Gato I


Nesse “mundo de conquista”, há alguns “instrumentos” que as pessoas não sabem usar direito. Eu considero a dança um desses instrumentos.

Partindo do princípio que dança é um negócio muito pessoal, você não vai querer dançar qualquer ritmo ou projeto de ritmo com qualquer pessoa ou projeto de pessoa. Hoje em dia há diversos ritmos que geram vários tipos de dança, mas eu só considero dança mesmo quando você consegue ter um contato com uma outra pessoa. Dependendo do ritmo ou estilo de música, pode acontecer de você dançar sem sequer encostar na outra pessoa, o que eu acho impessoal demais, mas até que às vezes um olhar bem encontrado num outro olhar, já é uma dança e tanto.

Eu prefiro um tipo de dança que é mais tradicional, aquela mistura de dança européia com influências africanas e que depois acabou virando um negócio europeu-afro-brasileiro. Nesse “universo” tem o choro, o samba, a polca, o maxixe, o lundu, o batuque, o forró, o jongo, a valsa, o tango (o argentino é mais conhecido que o brasileiro, mas são todos da mesma época e com as mesmas influências), enfim, tem um monte de gêneros musicais que até hoje são muito bons de dançar. A mistura disso é um negócio bem carioca e você não precisa ser um exímio dançarino para, digamos, tirar proveito disso para conquistar ou se “dar bem”, caso este seja seu intuito. Tem que ter o mínimo de jeito e bom senso,é claro. Não adianta chegar todo sem noção em uma garota, falando um monte de péla-saquices, enquanto você pisa nos pés da mesma.

Visualiza bem, num tipo de dança desses, você não precisa falar muito, o seu olhar já diz um monte de coisas, principalmente na hora de convidar a menina pra dançar. Além disso, o contato que tem com ela é muito grande e, provavelmente, já dá pra ter uma noção de toda a afinidade que vocês poderão ter só por esse primeiro contato. É claro que com umas aulas de dança de salão, o cara consegue se virar, mas eu arrisco dizer que não precisa nem fazer aula. Se você estiver dançando algo que gosta, num lugar bacana e vê alguma garota interessante, por que não dançar com ela? Na pior das hipóteses, você já vai sentir o toque da menina, o cheiro e todas aquelas outras coisas boas já possíveis de serem percebidas em uma primeira impressão. Não precisa ser nada perfeito em termos de dança, mas tem que rolar uma harmonia, um equilíbrio...

















Resumindo, rapazeada, quando você está num lugar que é pra dançar, vê se não vai perder tempo enchendo o saco de ninguém com ideias erradas. Chama a garota pra dançar e tenta correr o risco de ouvir um “não, obrigada” ou então passar uma noite (talvez a primeira de muitas com ela) bem interessante.


(Demorei, mas escrevi! hehehe)


Coisas que só um namorado faz por você

Academia: 150,00 (200 min de esteira, musculação, exercícios reforçados para o bumbum e 500 abdominais por semana)
Creme anticelulite: 80,00
Drenagem linfática: 70 (a sessão)
Yoga: 180,00
Creme anti-idade: 200,00
Manicure e pedicure: 32,00
Salão: 100,00
Livros Cult: 300,00

Alimentação balanceada, meditação... tudo pra você ficar linda e zen, uma pessoa adorável, bem-cuidada, inteligente, uma namorada quase perfeita.

E o seu namorado chega e diz, assim como se fosse a coisa mais normal do mundo:

_ o que eu mais gosto em você é o seu pé.

Oi?

sábado, 7 de agosto de 2010

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

No meio do caminho tinha uma vaca

Sempre tem uma vaca no meio do caminho, como diz minha amiga Rosana. Aliás, é isso que as mulheres dizem por aí. Pelo visto, o Drummond estava totalmente enganado: o problema não era a pedra que ele viu com suas retinas fatigadas. O problema era a vaca, sempre foi.

Eu reparei que sempre que existe uma ex, uma amante ou qualquer coisa do tipo no meio do caminho, todas elas tem o mesmo nom
e: Vaca. Podem reparar: as mulheres sempre se referem “àquela mulher” como “aquela vaca”: “aquela vaca é que fica se atirando”, “aquela vaca fica ligando”, “aquela vaca é uma vaca!”.

Então, para minhas amigas em cujo caminho sempre existe uma vaca, aqui vão (1) a prova matemática de que todo mundo tem não só uma, mas duas vacas e (2) uma breve antologia das duas vacas, porque uma só é pouco e três já seria demais!


(1) MATEMÁTICA DAS DUAS VACAS:


Essa prova matemática também pode ser escrita nessa outra equação:



Onde Moo é a medida métrica universal.


Uma longa pesquisa matemática levou a descoberta de novas verdades relativas a propriedade de duas vacas. Atualmente, 45.893 verdades com duas-vacas são conhecidas. Nostradamus demonstrou em 1555 que o número total de variáveis com duas vacas é infinito.


(2) ANTOLOGIA DAS DUAS VACAS:

Oscar Wilde: “Eu não tenho nada a declarar sobre minhas duas vacas”.

Captão Óbvio (sobre você tem duas vacas): “Eu tenho o quê?”

Zagallo: “Você tem duas vacas não tem 13 letras...Merda!”

Zagallo: “Vocês vão ter que engolir as duas vacas!”

Leônidas: "Essa noite...As duas vacas jantarão no inferno!!"

Matrix: “As duas vacas são a visão que o mundo tem te dado da verdade.

James Bond: “Vacas...Duas vacas”.

Roger Waters: “Tenho duas vacas. Teria três, mas David Gilmour e George W. Bush secretamente estão conspirando contra mim”.

Paris Hilton: Tenho duas vacas, MUITO redondas, macias e rosadas... Querem ver?

Benito Mussolini: Estas duas vacas querem a paz, a vida, e calma. Vou dar essas coisas com leite, se possível, com a carne se nessessário.

Hortelino Troca Tetras: Você tem duas vacas toelho miselável!

Mestre Yoda: Duas vacas ter você.

RSD2: beep beep blip beep

Darth Vader: “Venha para o lado da duas vacas da força”.

Luke Skywalker: Muuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu!

Obi-Wan Kenobi: Isso não é uma vaca. É uma estação espacial!

Tyler Durden: “Você não é suas duas vacas. As duas vacas que lhe pertencem, acabam possuindo você. Você tem que se libertar de suas possessões de vaca. Só por destruir suas duas vacas você pode nunca saber o que é ter duas vacas. TV nos enganou a crer que teríamos todos duas vacas. Estamos apenas começando a perceber que nunca teremos duas vacas, e nós estamos muito, muito chateados. Se esta é a sua primeira noite no clube da vaca, você tem de ordenhar”.

Carlos Drummond de Andrade: No meio do caminho tinham duas vacas. Tinham duas vacas no meio do caminho!


segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Filosofando

Quando algum desavisado - por qualquer que seja o motivo, de traição a distração - vier com alguma desculpa, seja ela esfarrapada ou não, para tentar justificar seus deslizes, responda com a sabedoria de Aristóteles:

"Se está a nosso alcance fazer, também está não fazer."

domingo, 1 de agosto de 2010

É tudo uma questão de escolha

Outro dia estava conversando com uma amiga sobre (adivinhem?!) homens e relacionamentos.


(Oh! surpresos???)

Enfim, não dá pra negar que são assuntos interessantíssimos e que rendem muito papo. Então,em determinado momento falávamos sobre o que buscamos para nossas vidas no futuro. Foi quando falei da minha atual lista de "exigências" para entrar novamente num relacionamento e que hoje penso mais em me casar com o mundo - por meio de viagens e mais viagens - do que constituir uma família tradicional.


E eis que ela me respondeu o seguinte:

"(...) pois eu estou bem prática hoje em dia: busco um homem que seja um verdadeiro chefe de família. Que seja um bom pai, um bom marido e trabalhador (...) acho que se eu passasse a vida viajando eu perderia isso."



Da mesma maneira que respondi pra ela na hora, acho legal essa resolução. Acho mesmo. Se o objetivo dela é constituir família e ter esse modelo de vida, acho que ela está certíssima. E tem mais: acho digno quem assume essa ideia e se planeja pra isso. Com certeza, tem muito mais chance de dar certo por esse caminho.

Assim como eu argumentei pra ela, no final, a gente sempre sai "perdendo" alguma coisa. De fato, se você opta por conhecer o mundo e viver pra si própria, perde-se essa coisa legal de família, filhos, um legado e tal. Mas escolhendo a vida "Amélia", você perde todo o mundo e todas as experiências que cada viagem, cada pessoa nova, que cada lugar diferente pode lhe proporcionar.

E é aí que eu argumento que tudo isso nada mais é do que uma questão de escolha. E, na minha opinião, as duas alternativas são válidas. A pessoa só precisa decidir sobre qual das duas maneiras vai ser mais feliz. Ou qual das três, quatro, e mais tantas opções diferentes possíveis. Você pode decidir que sua felicidade está em cuidar de cavalos em uma fazenda, ou que você se sentirá de fato realizado se for morar num mosteiro, num convento, ou num refúgio qualquer.

Acho que devemos nos respeitar e esquecer um pouco os padrões. Pra quem decide por essa vida mulher + marido + filhos + cachorro porque realmente acredita, ótimo. Mas pra quem pensa diferente, é muito válido ousar - sim, acredite, isso ainda é ousadia atualmente .

Liberdade para decidirmos por nosso caminho. Liberdade para mudarmos de ideia no meio dele. Pois, como eu costumo dizer, os outros sempre estarão ao redor, olhando, vigiando, observando. Mas a única pessoa que nos faz companhia 24h somos nós mesmos. As únicas pessoas que conhecem, realmente, nossas dores e alegrias, somos nós. Portanto, é por isso que acredito que devemos priorizar nosso bem-estar. Para sermos felizes. Para fazermos outras pessoas felizes.