quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Quero ser fofa

Tenho uma amiga que terminou um namoro de anos e agora está solteira há alguns meses. Ela reclama que tá difícil homem no mercado, e blá blá blá... Sua colega de trabalho - que pega geral - explicou que o segredo é ser fofa. Que o segredo para atrair e segurar um homem é ser fofinha, bem menininha, feminina, etc.

Bom... ela conheceu um cara num samba desses da vida e ficaram uma semana trocando mensagens. Na semana seguinte, tiveram uma linda noite de amor (que fofinho) e continuaram trocando mensagens. Aí no meio da semana ela resolveu colocar as lições para Miss Fofura em prática e mandou uma linda mensagem para ele logo de manhã:

- Bom dia! Um dia com muitos beijos pra você.

Sabe a resposta? Chegou QUATRO HORAS depois, da seguinte forma:

- Boa tarde!

Gente, depois vai dizer que fofura dá certo? Ah, Fofo my @$s!

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Deu no Globo

E mais uma pesquisa comprova que esse lance de relacionamento não tem mesmo como dar certo.


Vejam vocês: foi realizada uma pesquisa para "descobrir" que enquanto os homens querem xyz, as mulheres querem todas as outras letras do alfabeto.


Site de namoro revela o que os homens e as mulheres querem em um relacionamento

A pergunta é simples: quais qualidades a pessoa julga serem fundamentais no parceiro?

O interessante é que ambos buscam por bom humor [eba! ponto pra mim...rs], comunicativos [mais um....], fiéis [mais um..] e carinhosos ... Ops! Enfim!

Agora o engraçado é que o que as mulheres buscam nos homens (compromisso com a família, responsabilidade, estabilidade financeira) nem aparece na lista deles. Já a lista dos meninos, acusa que homens não gostam de mulheres grossas e usuárias de drogas.

Resumindo, cada um com sua lista...

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Mas ele é tão legal...


-->
Existem vários tipos de relacionamento que a curto, médio ou longo prazos poderão ser destrutivos.
Tem aquela "coitada" que namora o cara mais cretino do mundo (trai, faz farra, dá balão e dá em cima até das amigas dela), mas ela vive feliz da vida em sua ignorância – ninguém sabe o que pode acontecer quando ela descobrir, mas pelo menos ela terá sido feliz enquanto não sabia. Tem também aquele "infeliz" que tem uma namorada mala, ciumenta, controladora e carente e ele se submete a tudo o que ela faz - seja porque tem medo de ficar sozinho, seja por baixa auto-estima ou porque supõe que não vai encontrar alguém melhor.

Às vezes é fácil perceber onde está o erro e é tudo uma questão de se querer ou não romper com relações que não nos acrescentam nada. Mas a situação pode ser um pouco mais difícil e perversa quando se está num relacionamento em que se tem a sensação de que algo está fora do lugar, mas você não consegue ver onde está o erro. No mundo cão cheio de maridos que dão “uma puladinha de cerca”, de pais ausentes (que não participam de absolutamente nada), de mulheres fúteis e dondocas que namoram porque ser solteira não é cool e “não quero que ninguém ache que estou encalhada”, quando se encontra um cara ou uma mulher que tenha alguma qualidade cobiçada no mercado dos relacionamentos, a tendência é acharmos que ganhamos na loteria. Nem sempre é assim.
E quando não é, mesmo infelizes, nos apegamos à lista de qualidades dele(a): inteligente, bonito(a), carinhoso, fiel, adora criança, trata bem os meus amigos.
É mais fácil terminar com um(a) cretino(a) do que com um bonzinho, porque às vezes é difícil perceber que a felicidade a dois vai além da lista de qualidades do outro. Se tudo der certo, um dia você pára pra se perguntar a coisa mais elementar de todas: somos felizes juntos?
A resposta a essa pergunta determina a fronteira entre pessoas bem-resolvidas e mal-resolvidas nos assuntos do coração. Em qual lado você está?

Sabedoria das amigas

Quem nunca se envolveu com o homem errado que atire a primeira pedra. Mas atire nele, por favor!

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Marry me... not!

Quanto mais eu namoro, mais eu chego à conclusão que não vou me casar nunca.

Acho muita sacanagem colocar duas pessoas apaixonadas para dividir o mesmo quarto, carro, banheiro, contas, compras, aborrecimentos, horários, rotina. Certamente vai dar briga entre elas. Afinal, não é sobre isso o BBB?

Eu sei que casamento é uma tradição. Que uma certidão pode ser muito importante na vida prática. Que é mais econômico dividir um aparatmento. Que é melhor criar os filhos com as figuras materna e paterna na mesma casa. Mas eu não ligo para ritos de passagem, não me encontro em nenhuma situação que uma certidão de casamento poderia melhorar, tenho um padrão de vida confortável e, definitivamente, não quero procriar.

Não sou, nem de longe, contra relacionamentos - ao contrário, se eu pudesse comprar o sentimento de estar apaixonada no supermercado, gastaria todo o meu salário nisso. Mas isso não signifique que eu queira encontrar a minha cara-metade todo santo dia. Eu prefiro sentir saudades. Ficar ansiosa esperando a hora do encontro. Me arrumar para ganhar um elogio quando ele me ver. Principalmente, encontrá-lo na hora que tivermos vontade de nos encontrar e pudermos dar atenção um ao outro. E poder levar à cabo toda as minhas idiossincrasias de solteira que mora sozinha nas outras. Comer o que quiser, acordar na hora que quiser e sair de casa sabendo que as coisas estarão exatamente como eu deixei quando eu voltar.

Sim, sou egoísta. Mas as vezes eu preferiria dar de cara uma sirigaita na minha cama a dar de cara com mais uma camiseta usada e amassada.