segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Trapiche e Ferradura

Sábado passado o povo do meu trabalho foi ao Trapiche Gamboa comemorar um aniversário. Uma amiga convidou mais duas: uma casada há quatro meses e outra recém-separada após onze anos de casamento. As meninas me adoraram (eu sou mesmo um amor) e, após muito falarmos de homem, naquele desejo humano de rotularmos as pessoas, me perguntaram:

- Qual a sua situação? Você tem namorado, marido, tá solteira?
- Eu tô tranquila com esse lance de relacionamento.
A resposta egípcia não satisfez. Papo vai, papo vem, me perguntam mais uma vez.
- E você???
- Ah, eu tô feliz.

Se eu dissesse que tinha qualquer tipo de compromisso, estaria mentindo. Mas achei que dizer que terminei um namoro relativamente longo e relativamente importante há relativamente pouco tempo tempo (valeu, Einstein!) sugeriria um sofrimento e uma perda que eu não estou sentindo. Ao mesmo tempo, "estar solteira", naquele lugar, também daria a impressão de estar na pista para negócio que também não é verdade. Essa foi realmente a resposta mais sincera que eu poderia dar. Eu sei que é muita filosofia durante uma caipvodka de cupuaçu, mas tem mais:

Sabiamente, já me disseram que o amor é como uma ferradura - os extremos estão mais perto entre si que entre o extremo e o meio, o ponto neutro. O oposto do amor não é o ódio - é a indiferença.

Terminar um relacionamento e ficar imediatamente com outra pessoa não quer dizer que você o esqueceu. Este comportamento serve para distrair ou provocar ciúmes ou - ou seja, para reafirmar a presença do ex em sua vida. Terminar e ligar para dizer que não quer mais saber dele só mostra que você quer saber dele.

Sim, eu sei que todos estes comportamentos são feitos no calor do momento - mas a questão é justamente não haver o calor do momento - ao menos um calor muito quente ou muito prolongado. Claro que se o cara é um sacana que, sei lá, te traiu com a sua própria irmã, realmente merece que você dê um escândalo quando descobrir e jogue um drinque na cara dele (já vi as duas coisas acontecerem).

Mas a maioria dos casos, felizmente, é formada por duas pessoas que decidem que as diferenças são maiores que as semelhanças. E vida que segue. Porque uma pessoa feliz, equilibrada e em paz sente tristeza e raiva com um fim de um relacionamento, mas nos outros 99% do tempo, está feliz, equilibrada e em paz, fazendo seja lá o que for, com ou sem namorado.

Para terminar, Rafael Nadal seminu. Just because.

Um comentário: