terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Nem tão rapidinha do dia

Outro dia eu tava lembrando que sempre que o meu então namorado deixava o e-mail dele aberto no meu computador eu deslogava imediatamente, resistindo à tentação de "dar aquela espiadinha", como diria o Bial.

Pra começar: o e-mail é dele e ponto. Lê-lo sem o seu consentimento também seria traição da sua confiança, assim como uma infidelidade "carnal" o seria (tudo bem que se eu tivesse que escolher entre os dois, preferiria que ele lesse meu e-mail). Vida privada, independência e solitude são essenciais. Como disse uma amiga minha "eu vou deletar todo mundo no meu facebook que está com o namorado na foto do perfil".

É claro que sempre existia a possibilidade dele trocar e-mails tórridos com a cunhada com quem estava tendo um caso (Nelson Rodrigues meets século XXI), porque o ser humano é inerentemente filho da puta. Mas a possibilidade de eu ter a impressão errada lendo algum e-mail amigável e brigar por conta de algo que não existe era muito maior. É melhor ser enganada uma vez na vida a ser paranóica diariamente.

2 comentários:

  1. Além do que, fazer o papel de mulher desconfiada dá um trabalhão: ler email escondido (o que te dá ainda mais chances de entender tudo errado porque o email deve ser lido rápido), fuçar senha, fuçar perfil da remetente do email, fuçar perfil dos amigos e parentes da remetente, acabar numa situação de nunca mais nada será tão simples e um bom dia para a moça da padaria nunca será menos que uma cantada descarada na sua frente... vixi! Certíssima! ;)

    ResponderExcluir