segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Amores platônicos também são correspondidos

Ela consegue visualizar o momento em que pega a nuca dele e puxa a sua boca contra a dela. É quase como se fosse real a vontade de tirar a camisa dele e toda a intensidade que isso provocaria. Futuros do pretérito. 

Ela poderia tê-lo mordido e tê-lo virado do avesso. Mas, lá no fundo, antes mesmo de tentar, abriu mão de tudo isso. Ela o deseja de um jeito que é quase desumano, mas, ao mesmo tempo, sabe que será incrivelmente feliz sem nunca experimentar nada disso, porque sabe que ele ama outra mulher.

Ele não entende o porquê dela dizer que o ama, talvez porque esteja acostumado com o jeito que todo mundo sempre diz isso como se esperasse uma resposta de volta. Não é esse o caso. Ela o ama só de raiva, só pra contrariá-lo, só porque ela é capaz de amar assim. Ela o ama muito, por motivo nenhum, ou talvez porque consiga enxergar toda a fragilidade que ele tem - de um jeito só dela e que só ela poderia enxergar, porque sem saber, é só pra ela que ele se abre e se mostra assim inteiro, complexo, confuso e intenso, medroso, bonito, pornográfico e puro.

Ela abre mão de tentar viver isso porque sabe que sempre terão o mais bonito um do outro: essa coisa única que só entendem as pessoas que tem alguém com quem conseguem conversar por horas e horas como se o tempo não existisse. E nem mesmo a distância ou o tempo conseguem mudar a perfeição de se sentirem à vontade e tão eles mesmos na presença um do outro.

Ao contrário de todas as paixões antes dessa, não há ciúme por ela saber que ele ama outra. Ela queria muito beijá-lo, às vezes, por um segundo, é o que ela mais quer. Mas aí, ela sabe que isso passa, e que, no final das contas, ela quer mesmo que ele seja dele mesmo e de mais ninguém. E que quanto mais ele for ele mesmo, ou o que quer que ele queira ser, mais ele será dela.

Mas e ele? Bom, ele a ama só um pouco, quase nada. Dizem que amor não se mede e, mesmo num pouquinho de amor cabe o infinito. E o infinito será sempre suficiente pra se saber amado de volta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário