terça-feira, 10 de novembro de 2015

Não me mande flores!

Haja o que houver, jamais me mande flores. Não me importa se você pisou na bola, se enfiou o pé na jaca ou teve TPM e surtou comigo sem motivo na noite passada. Nunca me mande flores. Pouco me importa se você me ama e está feliz e quer jogar pétalas de rosas de um helicóptero sobrevoando a minha casa.

Tenha você errado ou esteja você apaixonado, as flores não tem nada a ver com isso. E elas não precisam ser arrancadas pra que você prove que está arrependido ou que me ama. Aliás, você não precisa me provar nada. 

Não, eu não estou sendo insensível, nem tenho dificuldades em demonstrar afeto e não tenho problemas em me apaixonar e me expor. Não mesmo. Eu não economizo o coração e se eu me apaixonar por você, esteja certo de que vou me permitir viver isso. Serei idiota e ridícula como qualquer pessoa apaixonada.


Mas se você errou, olhe nos meus olhos e peça desculpas. Se você quer que eu saiba que você me ama, me abrace forte ou me leve pra mergulhar às duas da manhã no mar quente do verão. Não quero presentes nem cartas de amor escritas pela reencarnação do Shakespeare - eu só quero que você segure a minha mão de um jeito que eu apenas saiba que você está ali comigo e não projetando um romance lindo que termina em felizes para sempre com uma mulher idealizada que não seja eu mesma, agora, exatamente como sou.

Os momentos mais felizes que eu vivi com as pessoas que amo nunca foram os planejados. Não foram os jantares à luz de velas, as viagens programadas para o dia dos namorados ou o aniversário de namoro. Meus olhos brilharam de verdade naquele dia que eu simplesmente não sabia como agir e te tratei de um jeito injusto e rude. E você, em vez de me criticar, entendeu que eu não estava bem, sentou ao meu lado em silêncio e me abraçou enquanto eu chorava.

Eu senti uma alegria incontrolável quando fugimos da aula repentinamente e sentamos na praia como se o tempo não existisse. Lembra daquele dia que passamos com os nossos amigos jogando baralho e rindo? Foi perfeito, né?

Não quero o amor romântico dos filmes. Não quero sacrifícios e nem provas de amor. Só quero você inteiro e pleno aqui comigo. Só quero que a gente esteja presente, que não se esqueça de olhar um pro outro com acolhimento. Se você fizer questão das flores, pode ser que as tenhamos num jardim um dia. Podemos deitar na rede no fim de tarde para admirá-las, sabendo que por mais lindas que elas sejam, jamais serão suficientes para demonstrar aquilo que só o sentir é capaz.



3 comentários:

  1. "Só quero que a gente esteja presente, que não se esqueça de olhar um pro outro com acolhimento."

    E se assim fosse e esse alguém lhe desse flores, o que aconteceria com o seu olhar de acolhimento?

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Não ficarei revoltada se me mandarem flores. E nem jogarei as rosas pela janela ou no lixo. O texto não é só sobre as flores, é sobre anéis de brilhantes, roupas caras e qualquer outro coisa com a qual se possa tentar comprar sentimentos e construir uma imagem que não condiga com um sentimento verdadeiro. Flores até podem ser dadas de forma despretenciosa e sincera, mas isso é raro. E também nem é necessário, porque a gente pode demonstrar afeto muito mais com atitudes do que com coisas. Mas acho maioria das vezes, a intenção não é pura, ou a atitude robótica só porque se acha que mulheres gostam e porque as agrada. A intenção conta, mas lá no fundo, eu não gosto mais de receber flores

    ResponderExcluir