terça-feira, 8 de dezembro de 2015

A pessoa certa pode ser a errada



Preciso confessar um crime: quando eu era adolescente e ia alugar filme na locadora, colocava os filmes de comédia romântica na sessão de ficção científica, só por rebeldia. Nunca acreditei nessa sádica história de que, em algum lugar desse mundo,  existiria uma pessoa certa pra alguém (mentira, talvez eu tenha acreditado nisso algumas vezes, por três ou quatro segundos. Talvez até um pouco mais, só porque eu assisti muitos contos de fada da Disney).

É difícil admitir isso publicamente, porque eu tenho uma reputação de ogra a manter, mas apesar de eu abominar romantismo, flores e jantares com coraçõezinhos, eu adoro assistir comédias românticas. Só que as comédias românticas estão para mim como uma partida de futebol da terceira divisão de juniores da Tanzânia está para os homens: é uma coisa que eu sento no sofá tomando uma cerveja e assisto pra descansar a cabeça e não pensar em nada. 

Por isso, se eu vejo um homem que me chama atenção, seja pela beleza, pelo humor ou pela inteligência, jamais fantasio coisas absurdas com ele. A não ser que o homem em questão reúna essas três qualidades em níveis estratosféricos - nessa caso, seria crime inafiançável eu não me imaginar passando a lua de mel com esse homem (que obviamente não existe ou não é desse planeta) na Toscana.   

Provavelmente existe lá fora um cara que ame trilha, banho gelado de cachoeira ou banho de mar à noite no verão. Que adora o Woody Allen e o Tarantino e que se mataria para conseguir um ingresso de pista premium para o show do Pearl Jam no Maracanã. É possível que exista um homem que ama viajar e tenha vontade de fazer a transsiberiana e assistir a aurora boreal do outro lado do continente. E que de quebra, talvez ame rock, jazz e crianças e seja capaz de se reunir com meus amigos para jogar Imagem & Ação sem morrer de vergonha por todos serem idiotas quando fazem mímicas.

Mas não existe lá fora uma pessoa certa me esperando. O fato de um homem ser do jeito que eu gosto e ter as qualidades que eu penso que combinariam comigo não faz dele a pessoa certa. Nem de longe. E sabem como eu sei isso? Porque não estou esperando ninguém. E as pessoas que são como eu, guardam um segredo. Nós sabemos que por não esperarmos nada, podemos enxergar a vida de um jeito incrivelmente lindo: somos capazes de olhar cada pessoa de um jeito único, sem colocar sobre ninguém o peso das nossas expectativas.

Quando você não espera nada de ninguém, não existe certo e errado. E você pode se apaixonar perdidamente por uma cara que só anda com a roupa amarrotada e com absolutamente tudo descombinado, que tem pelo de gato no sofá e que usa camisa social com estampa florida e colete com calça jeans. Quando você não espera nada de ninguém, a pessoa errada pode ser certa, e qualquer pessoa certa pode ser tão absurdamente errada quanto usar pochete.  

Quando você  não acredita em príncipe encantado, as pessoas reais são mais bonitas e mais inteiras. Elas não precisam te agradar em tudo, porque você sabe que a coisa mais incrível do mundo é ver uma pessoa ser ela mesma, sem precisar disfarçar nada para agradar você ou para não desagradar ninguém. Quando você não espera nada, pode se apaixonar pela pessoa errada, que pode ser a pessoa certa pra você, mesmo que tudo nesse planeta pareça dizer que aquela pessoa é de outra galáxia. 

Uma pessoa certa pode facilitar a sua vida em tudo, pode te acompanhar onde você for sem qualquer esforço. E vocês podem combinar irritantemente em tudo. Mas são as pessoas erradas, mais do que qualquer pessoa certa, que são capazes de te mostrar todos os mundos que você não conhecia e virar a sua cabeça pelo avesso pra você enxergar algo que você já conhecia pela primeira vez. 

A pessoa errada é aquela que, exatamente por ser diferente de você, te traz desconforto - ou te tira da zona de conforto - só pra te lembrar que a vida precisa ser mais do que viver o que for mais fácil, pra viver de um jeito que a gente se sinta vivo de verdade. Uma pessoa errada certamente vai te irritar por causa da louça na pia, ou da toalha molhada em cima da cama e dos livros e sapatos espalhados pela casa. Mas ela também vai te mostrar que nada disso é um problema quando ela te colocar no colo e te fizer carinho.  

A nossa felicidade jamais deveria depender de outra pessoa, seja ela certa ou errada. Mas toda felicidade depende, em certa medida, de sermos capazes de enxergar a vida além das nossas expectativas, das aparências e dos julgamentos. Porque só quando a gente não julga o outro por ele não ser o que esperamos, podemos enxergar tudo o que ele é e que não poderíamos jamais ter sonhado se tivéssemos um modelo mental fechado da pessoa certa.


4 comentários:

  1. Mar de noite é aterrorizante! Mas o texto é lindo.

    ResponderExcluir
  2. "e qualquer pessoa certa pode ser tão absurdamente errada quanto usar pochete."
    Isso e o colete com calça jeans são imperdoáveis. A camisa de estampa florida não. Ela é legal.

    ResponderExcluir
  3. Camisas floridas são bonitas e alegres. E perfeitas para ambientes propensos a desilusões amorosas. Ou não.

    ResponderExcluir
  4. perfectokkkkkkkkkkkkkkk tudo isto deixa de ter importancia , nao é mesmo???!!!

    ResponderExcluir