sábado, 2 de janeiro de 2016

O amor que eu quero ser


Ela ficou três décadas pensando no amor que queria ter. Na pessoa certa, na casa com jardim+cachorro+amor da sua vida. Ele sempre esperou por alguém com quem ele pudesse ser ele mesmo, alguém que o entendesse, o aceitasse, o amasse incondicionalmente e o fizesse acreditar de verdade no amor - na prática, não só na teoria.

A gente deseja uma lista interminável de coisas, mesmo que não seja o que a gente precisa pra ser feliz. Mas aí a felicidade não é uma lista de coisas a cumprir, nem a meta de um tal amor que eu vou sentar no sofá e esperar aparecer a minha vida inteira.  A felicidade é uma coisa que  acontece quando a gente se distrai e não está pensando em nada. Quando a gente desiste de tudo e aceita que não dá mais pra procurar, que não dá mais pra fazer que nem o meu filho de um ano tentando encaixar a peça quadrada no lugar do triângulo. Só as pessoas que desistem podem enxergar o que é.   

Só quem desiste aprende o que não pode ser ensinado por ninguém: a vida não é uma jornada para encontrar a pessoa que eu quero pra mim, mas para descobrir a pessoa que queremos ser pra nós mesmos, porque é essa pessoa que também seremos para alguém.

Eu quero ser a pessoa que vai te buscar no aeroporto e pular no seu colo. Quero ser pra você a pessoa que não vai se importar se o seu corpo não for perfeito, nem se a vida tiver feito você aparecer quando a minha vida está um caos. Quero ser a pessoa que vai te fazer cafuné amanhã à noite sem medo de demonstrar que estou perdidamente apaixonada por você, sem pensar se vou ou não ser correspondida.

Quero ser o amor mais leve do mundo, a pessoa que você nunca vai precisar pra nada - nem pra te acalmar, nem pra cuidar de você numa crise alérgica daquelas. Quero não exigir nunca absolutamente nada de você, exceto que você me faça massagem compulsivamente.   

Quero ser a mulher que não precisa ser inédita, nem a mais incrível que você já conheceu, nem a mais inteligente ou a mais bonita e muito menos a que você esperou a vida inteira. Eu quero ser a mulher que você não esperava e que nunca imaginou mas que, assim do nada, te fez esquecer qualquer lista de coisas que a mulher perfeita poderia preencher. 

Quanto mais sei quem sou, mais eu percebo que não importa quem vai chegar na minha vida, nem por quanto tempo vai ficar. Eu só sei que enquanto durar, eu vou estar distraída te fazendo carinho nas costas e te mandando mensagem às três da manhã pra dizer que estou com saudade. 

Só sei que vou te olhar com a curiosidade de uma criança que vê o mar pela primeira vez, e que não fazia ideia que isso existia. Vou ficar surpresa e espantada com toda a sua imensidão, mas a mulher que sou e quero ser, o amor que sinto e quero demonstrar é daqueles em que eu mergulho sem saber o que acontece, sem medo de água gelada e dos corais que possam estar lá no fundo. 

Porque o amor que quero ser eu já sou, nesse exato momento. E esse amor é perfeito do jeito que é, porque não foi sonhado e nem esperado a minha vida inteira. E pra esse amor ser vivido, ele só precisa encontrar alguém que queira não pensar em nada comigo, nas manhãs de chuva do inverno. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário