terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Não é nada disso que você está pensando

_ Roberto, senta aqui.
_ O que foi, meu amor?
_ Não foi nada demais, Roberto. É que eu tenho um amante.
_ Silvia, para com essas brincadeiras. Você sabe que eu não gosto.
_ Eu sei Roberto. Eu sei que você não gosta. Você não gosta de brincadeira nenhuma.
_ Mas o que é que você queria me falar, Sílvia?
_ Que eu trepei com um cara. Várias vezes. Em dias diferentes. E tenho me sentido ótima, como há muito não me sentia.

Enquanto Roberto se deu três segundos para entender se aquilo era ou não um pesadelo, ele levantou do sofá e começou a andar enlouquecido pela sala, de um lado pro outro.

_ Silvia, que porra é essa?
_ Um amante, Roberto. Eu já não falei isso antes?
_ Eu não estou te reconhecendo. Por que você faria uma coisa dessas?
_ Eu não faria. Eu FIZ, Roberto. Fiz e venho fazendo há um mês.
_ Eu não quero mais ouvir nada, Sílvia. Quero apenas que você vá embora agora.
_ Não Roberto, eu não vou embora até você ouvir tudo o que eu tenho pra dizer.
_ Quem é esse cara, Sílvia?
_ O Beto.
_ O quê? O Beto? Nosso amigo Beto? Aquele Beto? EU vou matar vocês dois. Puta que pariu.
 

Roberto para de andar pela sala e fica imóvel, com o rosto vermelho de raiva. Silvia, por sua vez, permanece absolutamente calma no sofá.

_ Senta aqui Roberto. Escuta o que eu tenho para te dizer. Depois que você escutar você pode matar quem você quiser.
_ Eu não quero sentar.
_ Mas eu preciso que você sente aqui pra me ouvir. Agora.
_ Você nunca falou assim comigo, Silvia, nunca.O que deu em você?
_ Senta logo, Roberto, eu já estou perdendo a calma.
_ O que? Você está perdendo a calma? Quer dizer... eu acabo de saber que eu sou corno, que você me traiu com um amigo nosso, depois de 25 anos de casamento, e você quer que eu fique calmo?
_ É Roberto. Eu quero que você fique calmo sim. Quero que você fique tão calmo quanto você ficou quanto trepou com a mulher do Beto, entendeu?
_ O quê?! O que você está falando? De onde você tirou isso?
_ Roberto, senta no ca-ra-lho do sofá.

Sem saber como reagir, Roberto dá mais uma volta pela sala e finalmente senta no sofá o mais longe possível de Sílvia.

_ Posso falar agora? Você vai me ouvir?
_ Eu não sei de onde você tirou essa de que eu e a Carlinha tivemos alguma coisa.
_ Roberto, para de negar. Não perca seu tempo mentindo pra mim.
_ Eu…
_ Olha só Roberto, desde que eu descobri sobre você e a Carlinha, eu fiquei absolutamente furiosa. Primeiro, eu quis fazer um escândalo. Mas isso parecia pouco perto da grande sacanagem que foi você me trair com a mulher do seu melhor amigo. Com alguém que frequenta a nossa casa há mais de quinze anos!
_ Mas Silvia, eu e a Carlinha…
_ Cala a boca, Roberto. Deixa eu terminar antes que as crianças cheguem em casa. Quando eu descobri sobre a sua traição, eu resolvi que não queria fazer escândalo. Não queria que as crianças soubessem, até porque, você sabe que nossos filhos adoram os filhos do Beto e da Carlinha, né? Eu resolvi marcar com o Beto, para conversar e contar tudo pra ele.
_ Você contou pro Beto que eu e a Carlinha tivemos alguma coisa?
_ Roberto, se você não me deixar terminar de falar, eu juro, quem vai te matar sou eu.
_ Tá, tudo bem. Tô te ouvindo. Mas sério: você não podia simplesmente fazer um escândalo, como qualquer mulher normal faria?
_ Não, Roberto. Eu não podia e eu não queria. Por isso eu liguei pro Beto, disse pra ele que precisava muito conversar com ele e perguntei se podíamos tomar um café juntos. Marcamos o café e, quando eu cheguei lá, parecia que o Beto precisava conversar até mais do que eu. Ele se abriu comigo sobre a relação dele com a Carlinha, contou que as coisas estavam muito ruins entre eles e que ele inclusive até achava que ela tinha um amante. Ele chorou ali na minha frente e eu não tive coragem de contar nada pra ele. Eu não podia fazer isso com nosso amigo de anos. E ele me pediu desculpas por estar naquele estado e quando ele me perguntou o que eu queria falar, eu inventei qualquer coisa sobre o nosso casamento também estar passando por uma fase difícil. E nós acabamos marcando outro café, pra desabafarmos. Acontece que com essa situação toda, depois de três cafés, me dei conta que o Beto é um homem incrível, sabe? E cada vez que a gente se via, eu ficava mais impressionada. Como a Carlinha podia fazer isso com ele?
_ Do que você está falando, Silvia?
_ Roberto, eu me apaixonei pelo Beto. É isso. Me apaixonei por ele.
_ Pelo Beto? Pelo meu melhor amigo?
_ Que melhor amigo, Roberto? Que porra de melhor amigo é você? Do tipo que come a mulher dele?
_ Eu não acredito que você se apaixonou pelo Beto. Não posso acreditar nisso. Não acredito que o Beto tenha tido a coragem de fazer isso comigo.
_ Essa conversa não está acontecendo, está? Eu não consigo acreditar no que estou ouvindo. Você consegue lembrar que você e a Carlinha são amantes, certo?
_ Silvia, eu e a Carlinha não somos amantes.
_ Que parte de não mente pra mim você não entendeu?
_ Silvia, eu e a Carlinha não somos e nem nunca fomos amantes. Eu nunca te traí com ninguém.
_ Como você não me traiu? Eu te vi na rua num café, se agarrando com a Carlinha. E depois disso, segui você mais algumas vezes, vocês estavam saindo juntos. Vocês são amantes!
_ Silvia, como você sabe, a Carlinha trabalha no centro, num prédio próximo do meu escritório. Um dia, no meu horário de almoço, eu a encontrei por acaso comendo sozinha. Resolvi sentar com ela porque eu também estava sozinho. Perguntei como ela estava, assim, de um jeito totalmente trivial, e ela simplesmente desabou em lágrimas no meio do almoço. Eu a abracei durante um longo tempo, porque não sabia o que fazer. Nós não estávamos nos agarrando.
_ O que?
_ É isso mesmo Silvia. Eu me encontrei várias vezes com a Carlinha para conversar. Ela me pediu e quase implorou para eu não te contar nada e não falar com ninguém, nem com o Beto. Ela não conseguia parar de chorar toda vez que falava no assunto e não queria se abrir com outras pessoas porque era muito dolorido.
_ Roberto, eu não estou acreditando em nada disso.
_ Então, converse com a Carlinha, Silvia. Agora, eu se fosse você, cancelava os planos de viver uma paixão com o Beto, porque além dele estar trepando com você, ele também está trepando com a secretária de 23 anos dele e a Carlinha acaba de descobrir que a secretária gostosa do Beto está grávida. E agora me dá licença que eu vou fazer suas malas, você não fica mais nem um segundo nessa casa.



Roberto se levanta calmamente e se dirige para o quarto, enquanto Silvia desmaia no sofá sem poder acreditar em nada do que acabara de ouvir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário